• França, 1885
  • Óleo sobre tela
  • Inv. 69
  • Assinado e datado em baixo à esquerda: “Fantin 85”
  • Pintura

Cesto com Rosas

Henri Fantin-Latour

As composições com motivos de flores constituíram, desde a década de 1860, um dos temas preferenciais da obra de Henri Fantin-Latour, tendo marcado presença na sua produção até ao final da carreira. A representação de arranjos de rosas, em particular, deu lugar a um número elevado de obras, surgindo as mesmas reproduzidas dos mais diversos pontos de vista, sujeitas, naturalmente, a múltiplos arranjos.

O artista concebeu esta pintura de forma  muito simples, ocupando o cesto com rosas praticamente toda a superfície da composição. O fundo monocromático contribui para acentuar a observação imediata das flores, cuidadosamente dispostas no interior do cesto, numa composição próxima de Bouquet de Rosas numa Mesa de Mármore (Sterling and Francine Clark Art Institute, Williamstown), de 1885 e Bouquet de Flores (Colecção Sir Alfred Beit, Irlanda), de 1889. Todavia, ao invés de se constatar uma monotonia na repetição abundante do tema, reconhece-se antes em cada pintura particularidades específicas, às quais Fantin-Latour adiciona, de uma forma ou de outra, qualidade própria.

Leonard Gow, Craigendoran. Adquirido por intermédio de Colnaghi, Venda Christie’s, Londres, 9 de maio de 1924 (lote 54).

59 x 73,8 cm

Sampaio, 2009

Luísa Sampaio, Pintura no Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2009, n.º 96, pp. 214-215;

Lisboa, 2009

Henri Fantin-Latour (1836-1904), Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2009, nº 69, pp. 181, 199.