O Degelo

Claude Monet (1840-1926)

França, 1880

A paisagem, austera e dolorosa, representa um degelo de grandes proporções ocorrido junto ao Sena, na região de Vétheuil, a oeste de Paris, nos primeiros dias de Janeiro de 1880. Faz parte de uma série de dezoito obras executadas pelo pintor no local, que constituem a sua resposta visual perante o brutal acontecimento. A beleza glacial da natureza invernosa, interpretada a diferentes horas do dia, sujeita a variações de perspetiva e luz, impõe-se como o tema central desse conjunto de pinturas, que variam entre paisagens onde a devastação é mais evidente, como neste caso, e obras de vocação mais tranquila.

Escassa na cor e sumária na definição da solidez incipiente do gelo quebrado e das árvores devastadas, a obra resulta de uma observação cuidada, directa e sistemática de elementos esboçados ao ar livre, tendo sido objeto, por certo, de finalização em estúdio. Ao recorrer a uma pincelada larga, entrecortada e inventiva, Monet concilia nesta composição princípios impressionistas fundamentais – espontaneidade, sensação pura, efeito fugidio – com o rigor formal de uma estrutura espacial lúcida, complexa e ordenada.

Proveniência

Coleção Jules Strauss; Coleção Hoentschel. Adquirida por Calouste Gulbenkian, por intermédio de Knoedler, em Nova Iorque, a 16 de outubro de 1925.

Wildenstein 1974

Daniel Wildenstein – Claude Monet. Biographie et catalogue raisonné. Lausanne/Paris: Bibliothèque des Arts, 1974, vol. I, n.º 560, il., p. 356-357.

Isaacson 1978

Joel Isaacson – «La Débâcle by Claude Monet», Bulletin, Museums of Art and Archaeology. Michigan: The University of Michigan, 1978, vol. I, n.º 3, p. 1-15.

Edimburgo 2003

Monet. The Seine and the Sea, 1878-1883 (catálogo da exposição). Edimburgo: National Galleries of Scotland, 2003, n.º 23, p. 79-82.

Sampaio 2009

Luísa Sampaio – Pintura no Museu Calouste Gulbenkian. Milão: Skira; Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009, n.º 103, il., p. 228-229.

Paris 2010

Claude Monet: 1840-1926. Paris: Galeries nationales du Grand Palais, 2010, n.º 53, p. 151, 168.

Museu Calouste Gulbenkian 2011

Museu Calouste Gulbenkian, Álbum. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011, n.º 167, il., p. 188.