Paula Rego

Em maio de 1988 inaugurou, na Galeria Principal da Sede, a primeira exposição antológica da obra da pintora Paula Rego (1935), abrangendo 35 anos do trabalho da artista. Enquanto o CAM está fechado, convidamos a revisitar mensalmente uma exposição passada.
Vista da exposição «Paula Rego». Galeria Principal da Sede, 1988.

A exposição Paula Rego inaugurou em maio de 1988 na Galeria Principal da Sede. A mostra percorria 35 anos de trabalho da artista nascida em Lisboa e a residir em Londres, dando especial enfoque à produção recente. As obras expostas foram selecionadas pela artista juntamente com Ruth Rosengarten, crítica de arte e historiadora, que vinha acompanhando e estudando o trabalho da artista.

 

Paula Rego, «Contos Populares Portugueses: Branca Flor – boy gambling with the devil», 1974. Inv. DP241
Paula Rego, «Contos Populares Portugueses: os dois vizinhos – two men separeted by a river of blood», 1975. Inv. DP239
Paula Rego, «Contos Populares Portugueses: o diabo gato – three little devils wrapped in white thread», 1975. Inv. DP240

 

A exposição foi orientada de forma cronológica, no sentido de definir as diversas fases do percurso da artista, que correspondem à permanente experimentação, à introdução e ao abandono de diferentes processos, formas e temas, mas também de forma a deixar emergir certas relações e cruzamentos entre obras de diferentes períodos.

 

 

As obras foram agrupadas segundo meios, processos e linguagens, mas de forma aberta, sem impor um percurso linear rígido. Assim, o desenvolvimento do trabalho de Paula Rego era dado a conhecer desde o momento em que a artista descobriu a obra de Jean Dubuffet (1901-1985) e «os desenhos começaram a vir de dentro, diretos, sem nada de permeio», passando pela fase dos «recortes», que alcançara o seu ponto alto com a obra Os Cães de Barcelona (1965), até ao período em que a colagem dera lugar à pintura e a artista produzira as séries dos animais, das óperas e das Vivian Girls (1988).

Esta exposição foi posteriormente levada ao Porto, em junho do mesmo ano, onde esteve presente na Casa de Serralves.


História das Exposições

No catálogo digital, pode explorar as 1343 exposições de arte organizadas pela Fundação entre 1957 e 2016.

Saber mais
Atualização em 02 maio 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.