• Pérsia, Caxã, meados do século XVI
  • Felpa, teia e trama de seda
  • Inv. T100

Tapete tipo «combate de animais»

Os tapetes persas de seda são geralmente considerados os exemplos mais requintados da produção de tapetes de nó. Este exemplar pertence a um conjunto relativamente homogéneo, do qual se conhecem apenas dezasseis. Alguns apresentam na sua decoração um medalhão central, inspirado na arte do livro persa; outros são decorados com figuração humana e/ou animal. 

Este tapete combina, na sua decoração, as duas características, apresentando um medalhão central quadrilobado com fénix e dragões combatendo, alternando com duas palmetas e, no campo, animais em luta: leões, tigres, panteras e antílopes no meio de belíssima decoração floral. A barra é preenchida por faisões de rica plumagem alternando com palmetas e flores. 

A cidade de Caxã foi um conhecido centro de comércio e manufatura de sedas desde o século XV. A partir de finais do século XVI, relatos de visitantes europeus documentam a existência de tapetes de seda, considerados produtos de luxo. 

Coleção Wilhelm von Bode, Berlim; Kunstgewerbemuseum, Berlim. Adquirida por Calouste Gulbenkian, por intermédio de Hans Stiebel, Amesterdão, março de 1936.

Erdmann 1970

Kurt Erdmann, Seven Hundred Years of Oriental Carpets. London: Faber & Faber, Lda., 1970, p. 65, n.º 68. 

Ettinghausen 1972

Richard Ettinghausen, Arte da Pérsia Islâmica na Colecção Calouste Gulbenkian. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1972, p. 7-8, 12, n.º 26.

Goffen 1995

Rona Goffen (ed.), Museums discovered. The Calouste Gulbenkian Museum. For Lauderdale, Florida: Woodbine Books, 1995, pp. 174-175. 

Nova Iorque 1999

Katharine Baetjer e James David Draper (eds.), «Only the Best». Masterpieces of the Calouste Gulbenkian Museum, Lisbon, catálogo de exposição. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art, 1999, pp. 78-79, cat. 36. 

Canby 1999

Sheila R. Canby, The Golden Age of Persian Art. 1501-1722. London: British Museum Publications, 1999, pp. 66-79, ils. 54, 62.

Lisboa 2001

Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa:Museu Calouste Gulbenkian, 2001, pp. 58-59, cat. 41. 

Cohen 2001

Steven Cohen, «Safavid and Mughal Carpets in the Gulbenkian Museum», Hali, n.º 114, janeiro-fevereiro de 2001, p. 75-85, il. 9.

Atualização em 14 junho 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.