• Holanda, c. 1657
  • Óleo sobre tela
  • Inv. Inv. 1488
  • Pintura

Palas Atena

Rembrandt Harmensz van Rijn

O tema desta obra tem sido, tal como a sua origem e cronologia, motivo de controvérsia para os especialistas. Também a autoria da pintura mereceu contestação, acreditando-se hoje, todavia, que a composição terá sido realizada por Rembrandt e um aluno. Essa possibilidade é apoiada no exame do desenho subjacente, no qual é visível a força expressiva da mão do mestre, menos evidente em algumas zonas da obra acabada. A personagem, de aparência andrógena, segura na mão direita uma lança, exibindo na esquerda um escudo decorado com a cabeça de Medusa e as suas serpentes características. Este elemento e a coruja que encima o capacete são símbolos da deusa Atena. A tela foi cortada na base e na margem esquerda. A figura lembra outras representações de Tito (n. 1641), filho do pintor, que poderá ter posado para esta obra.

Foi sugerida, entre outras, a hipótese de o artista ter sido convidado a pintar a deusa Minerva por ocasião da celebração da Festa de São Lucas, em Amesterdão, em 1654. Mais recentemente foi sustentada a tese de que a pintura poderá ter feito parte de uma trilogia clássica incluindo Vénus (Museu do Louvre, Paris), Juno (Armand Hammer Museum, Los Angeles) e esta representação de Palas Atena. O conjunto terá pertencido a Herman Becker (c. 1617-1678), negociante de arte que esteve, possivelmente, na origem da encomenda a Rembrandt. Acredita-se que o pintor se poderá ter inspirado num conjunto de gravuras realizadas em 1646 por Wenzel Hollar (1607-1677) a partir de composições da autoria de Adam Elsheimer (1578-1610), cujos títulos incorporam também denominações gregas e romanas. 

Coleção Conde Baudouin, Paris; Catarina II, da Rússia, 1780; Museu do Ermitage, São Petersburgo. Adquirido por Calouste Gulbenkian por intermédio de Antikvariat, 27 de junho de 1930.

A. 118 cm; L. 91 cm

Gerson 1968

Horst Gerson, Rembrandt et son Oeuvre. Amesterdão, 1968, pp. 376-377, n.º 294.

Postma 1995

Hugo Postma, «Rembrandt en de Broederschap der Schilderkunst; een nieuwe hypothese voor Pallas Athene in Museu Calouste Gulbenkian», Oud Holland Jaargang, vol. 109, 1995, n.º 1/2, pp. 89-94.

Wettering 2015

Ernst van de Wettering, A Corpus of Rembrandt Paintings, vol. VI. Dordrecht: 2015, pp. 380, 383, 639, n.º 253.