• Inglaterra, c. 1887
  • Óleo sobre tela
  • Inv. 73
  • Assinada: John S. Sargent

Mulher e Criança Dormindo num Barco

John Singer Sargent

Pode situar-se o período impressionista de Sargent na segunda metade da década de 1880, decorrendo numa primeira fase à volta da criação de Carnation, Lily, Lily, Rose (Tate Britain, Londres), de 1885-1886; um segundo momento, pouco posterior, coincide com a época em que o pintor passou algum tempo na companhia de Claude Monet, em Giverny. Refira-se que Sargent desempenhou em Inglaterra um papel determinante relativamente ao desenvolvimento do impressionismo, escolhendo o New English Art Club, próximo na sua orientação das novas tendências estéticas francesas, como local para apresentação de alguns trabalhos mais experimentais.

No verão de 1887 Sargent foi convidado pelos seus amigos Robert e Helen Harrison para passar uma temporada em Wargrave, sendo provável que a pintura tenha sido realizada em Henley-on-Thames, a oeste de Londres. Na representação, duas figuras sonolentas à sombra de um salgueiro deixam-se levar pelo movimento calmo de uma barcaça no torpor da tarde quente. O estilo da composição é, quer na pincelada rápida em vírgula, quer no tratamento da luz, francamente impressionista. O mesmo tema foi tratado diversas vezes por Sargent, sendo característica comum a quase todas as pinturas produzidas nos verões de 1887, 1888 e 1889 a mesma atmosfera de dolce far niente. É possível que a inspiração para esta obra se encontre na composição La Barque [O Barco] (Musée Marmottan, Paris), executada por Monet por volta de 1887.

Mrs. Seymour Trower. Adquirida por Calouste Guklbenkian, por intermédio de Colnaghi, Sotheby's, Londres, 20 de julho de 1921 (lote 223).

A. 56 cm; L. 68,6 cm

Sampaio 2009

Luísa Sampaio, Pintura no Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa/Milão: Museu Calouste Gulbenkian/Skira, 2009, pp. 234-235, cat. 106.

Ormond e Kilmurray 2010

Richard Ormond e Elaine Kilmurray, John Singer Sargent. Figures and Landscapes, 1883-1899. New Haven/Londres: Yale University Press, 2010, pp. 151-152, n.º 881.

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.