Reuben Nakian

Exposição antológica de esculturas e desenhos de Reuben Nakian (1897-1986), um dos mais destacados escultores norte-americanos do século XX. Inaugurada no verão de 1988, a exposição contou com um total de 71 peças de pendor abstratizante e terá sido a primeira exposição do artista em Portugal.
Retrospective exhibition of sculptures and drawings by Reuben Nakian (1897-1986), one of the most distinguished US sculptors of the 20th century. Opening in the summer of 1988, the exhibition featured 71 abstract works and comprised the first exhibition on the artist in Portugal.

Reuben Nakian (1897-1986) foi um dos mais proeminentes escultores do modernismo norte-americano. Com uma obra pouco celebrada na Europa, esta exposição individual na Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) terá sido a sua «primeira apresentação de trabalhos para uma audiência Europeia, desde a Bienal de Veneza de 1968» (Reuben Nakian, 1988, p. 5).

Partindo da iniciativa do Nakian's Trust, a mostra inauguraria em Lisboa a 15 de setembro de 1988, na Galeria de Exposições Temporárias da Sede da FCG (piso 01). Foi organizada pelo Centro de Arte Moderna (CAM), em estreita colaboração com o Serviço de Comunidades Arménias, tendo a montagem ficado a cargo do Serviço de Exposições e Museografia.

De caráter retrospetivo, a exposição apresentou uma antologia das principais fases do trabalho do artista, cobrindo todo o arco cronológico da sua obra. Do desenho à escultura, contemplaria um total de 71 peças, desde os esboços de figura humana dos anos de 1910 até às obras monumentais, de pendor abstratizante, da década de 1980. Fora dos dez núcleos em que estava estruturada, era ainda incluído Apprentice to the Gods, «um vídeo de cerca de 30 min, para visionamento contínuo, no Piso 0 do edifício sede» (Ofício de José Sommer Ribeiro para os Serviços Centrais da FCG, 14 set. 1988, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143), documentário difundido a nível nacional pela televisão norte-americana e que merece destaque no jornal da exposição (Nakian [jornal da exposição], 1988).

Os contornos internacionais e interinstitucionais da exposição implicaram um longo e demorado processo de produção, apesar de esta coincidir com a renovação dos sistemas de comunicação e com a disseminação do telefax, então em implementação na FCG.

Os contactos entre a FCG e o Nakian's Trust remontam a 1983, quando a curadora Marguerite Strop endereça uma proposta à FCG que viria a ser o início de toda esta iniciativa (Ofício de Marguerite Strop para a Fundação Calouste Gulbenkian, 14 set. 1983, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143). Lançava a possibilidade de Lisboa ser uma das etapas de uma itinerância europeia de obras do artista, ainda em fase embrionária.

Nakian tinha ascendência arménia, pelo que, tal como Arshile Gorky (1904-1948), de quem foi próximo, faria todo o sentido ser destacado na Fundação Calouste Gulbenkian. O pedido de Strop obteve prontamente resposta positiva por parte de Roberto Gulbenkian, então diretor do Serviço das Comunidades Arménias (Ofício de Roberto Gulbenkian para Marguerite Strop, 21 nov. 1983, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

Após diversos impasses, é apenas em 1986 que se assiste a um sério retomar de conversações. José Sommer Ribeiro começa a ser interlocutor de Marguerite Strop para a produção da mostra que começa a perspetivar-se como uma exposição capaz de dar nota do extenso percurso do artista norte-americano, celebrando o seu 90.º aniversário.

Lamentavelmente, Nakian faleceria a 4 de dezembro de 1986, quando o projeto já estaria em fase inicial de preparação. Não obstante, a Fundação Calouste Gulbenkian manteve todo o interesse, não apenas em apresentar a sua obra, mas também em adquirir algumas peças para a Coleção do Centro de Arte Moderna, processo que já estava em andamento e que se formalizaria a partir de 1987 (Ofício de José Sommer Ribeiro para José Azeredo Perdigão, 4 nov. 1987, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

Marguerite Strop só terá reunido presencialmente com Sommer Ribeiro em junho de 1988, ocasião em que foi também convidada a estar presente na inauguração da exposição comemorativa dos 80 anos de Vieira da Silva, realizada na FCG, e que ocorreu no mesmo dia (Ofício de José Sommer Ribeiro para Marguerite Strop, 25 mai. 1988, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143). Voltariam a reunir-se, na presença de Roberto Gulbenkian, a 31 de julho de 1987, quando Strop já se encontrava em viagem pela Europa, sondando possibilidades de itinerância (Ofício de Marguerite Strop para José Sommer Ribeiro, 26 jun. 1987, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

Várias obras chegariam a Lisboa a 4 de setembro de 1988, vindas dos EUA. Provinham diretamente do Nakian Trust, de empréstimos mediados por essa instituição, obedecendo a uma seleção que se expandira significativamente a pedido de Sommer Ribeiro e Roberto Gulbenkian. A ênfase na inclusão de mais e maiores obras reforça a forte aposta em Nakian como momento destacado da programação da Fundação. Entre essas peças estariam já Satyricon I, 1981 (Inv. EE7) e Voyage to Crete, 1982 (Inv. EE11), adquiridas pela FCG meses antes da inauguração (Contrato entre o Nakian Trust e a Fundação Calouste Gulbenkian, 10 jun. 1988, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143) e que o catálogo já lista como pertencentes à Coleção do CAM. Juntar-se-iam a um conjunto mais pequeno que já circulava pela Europa após a estreia na Batuz-Stiftung, Schaumburg (República Federal Alemã), a 9 agosto de 1987. Tratar-se-ia, neste caso, das «10 sculptures, 6 dessins, 3 lithos, 3 photos Paul Nakian» que provavelmente também já tinham estado na Verannemann Foundation, Kruishoutem (Bélgica), e na Galerie Basmadjian, Paris (França), de onde seguiriam para Lisboa a 25 de junho de 1988 (Telex de Dominique Gragnic para Maria Zaida Guerra, s.d. [25 jun. 1988], Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

A mostra ficaria patente até 13 de novembro de 1988, período que não parece ter colhido a merecida atenção da imprensa, tendo em conta não só a envergadura histórica do artista, mas também o seu recente falecimento e o facto de ser tão inédito na Europa. Nos dois meses em que esteve patente, ocorreu um incidente curioso, durante o qual uma criança terá derrubado uma das peças, situação prontamente diligenciada com as seguradoras e que, após esforço burocrático, foi devidamente sanado (Ofício de José Sommer Ribeiro para Marguerite Strop, 2 nov. 1988, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

Após o fecho, e à semelhança de outras itinerâncias internacionais, a FCG assumiu um papel de mediador logístico. Auxiliou, deste modo, as sucessivas tentativas de Strop, prévias e posteriores à apresentação na Fundação Calouste Gulbenkian, de levar a obra de Nakian a grandes instituições de outros países europeus, sem grande sucesso. Dos contactos realizados, apenas o Centro de Arte Reina Sofía, em Madrid, terá mostrado interesse em acolher o projeto (Ofício de Marguerite Strop para Panicali Fine Art, s.d. [jun.-set. 1988 (?)], Arquivos Gulbenkian, CAM 00143). A documentação consultada não revela, no entanto, que essa exposição tenha sido realizada. Somente a Isola Gallery, em Roma, receberia apenas seis das peças que tinham ficado à guarda da FCG desde o encerramento da exposição de Lisboa (Ofícios de Marguerite Strop para Maria do Céu Baptista, 2 dez. e 15 fev. 1988, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

Strop regressaria a Lisboa de 24 a 26 de maio de 1989, no decurso de mais uma viagem pela Europa com vista à itinerância deste acervo, então ainda à guarda da Fundação Calouste Gulbenkian. Nessa ocasião, procederia à devolução imediata das peças emprestadas pela Smithsonian Institution (Ofício de Marguerite Strop para Maria do Céu Baptista, 13 abr. 1989, Arquivos Gulbenkian, CAM 00143).

No final desse mesmo ano, dada a inviabilização do acolhimento do projeto por parte de outras instituições europeias, decide-se que as peças remanescentes na FCG deveriam regressar aos EUA (Ibid.). Foi também para lá que seguiram remessas do catálogo editado pela FCG no âmbito desta retrospetiva, tornando-se, à data, uma publicação de referência para o estudo da obra de Reuben Nakian.

Além da escultura Satyricon I (Inv. EE7), instalada nos Jardins Gulbenkian desde o início dos anos de 1990, e de Voyage to Crete (Inv. EE11), o CAM dispõe hoje de mais quatro desenhos da autoria de Nakian pertencentes à Hecuba Series (Invs. DE126; DE127; DE128; DE144), incorporados, por oferta do Nakian's Trust, no decurso desta exposição. Em 1990, a FCG adquirir-lhes-ia ainda o último dos dez exemplares então disponíveis da edição da Maquete Satyricon I, 1980 (Inv. EE6) (Ofício de José Sommer Ribeiro para José de Azeredo Perdigão, 6 abr. 1990, Arquivos Gulbenkian, CAM 00742).

Daniel Peres, 2018

Reuben Nakian (College Point, New York, USA, 1897 - Stanford, Connecticut, USA, 1986) was one of the most prominent sculptors of North American modernism. His work was little celebrated in Europe, and this individual exhibition at the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG) would have been the “first presentation of [his] work to a European audience since the 1968 Venice Biennale” (Reuben Nakian, 1988, p. 5).

Based on an initiative of Nakian’s Trust, the exhibition would open in Lisbon on 15 September 1988 in the FCG Main Building’s Temporary Exhibitions Gallery (Lower Ground Floor). It was organised by the Modern Art Centre (MAC) in close cooperation with the Armenian Communities Department, and assembly of the exhibition was the responsibility of the Exhibitions and Museography Department.

The retrospective exhibition presented an anthology of the main stages of the artist’s work, covering the full timeline of his career. From design to sculpture, it comprised a total of 71 pieces, from sketches of the human figure made in the 1910s to monumental abstract pieces from the 1980s. As well as the 10 sections of the exhibition, Apprentice of the Gods was also included, a “video playing on a loop on the Ground Floor of the Main Building” (Letter from José Sommer Ribeiro to the FCG Central Department, 14 Sept. 1988, Gulbenkian Archives, CAM 00143), a document that was broadcast nationally by US television that was highlighted in the exhibition newspaper (Nakian [Jornal de Exposição], 1988).

The exhibition’s international and inter-institutional nature involved a long and time-consuming production process, despite coinciding with developments in communication systems and the spread of fax, then in use at the FCG.

The contacts between the FCG and Nakian’s Trust go back to 1983, when the curator Marguerite Strop sent the proposal to the FCG that started this entire initiative (Letter from Strop to the Calouste Gulbenkian Foundation, 14 Sept. 1983, Gulbenkian Archives, CAM 00143). She suggested the possibility of Lisbon being one of the stops on a European tour of the artist’s works, still in development. 

Nakian had Armenian heritage and for that reason, just like Arshile Gorky (1904-1948), with whom he had been close, it made perfect sense for his work to be exhibited at the Calouste Gulbenkian Foundation. Strop’s request quickly received a positive reply from Roberto Gulbenkian, then head of the Armenian Communities Department (Letter from Roberto Gulbenkian to Marguerite Strop, 21 Nov. 1983, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

After coming to a standstill several times, conversations were taken up again properly in 1986. José Sommer Ribeiro became the contact person for Strop during the event’s production, which had begun to be seen as an exhibition to provide an overview of the US artist’s long career to celebrate his 90th birthday.

Sadly, Nakian passed away on 4 December 1986, when plans were beginning to be prepared. Nonetheless, the Calouste Gulbenkian Foundation remained interested not only in presenting his work but also in acquiring some pieces for the Modern Art Centre Collection (now the Modern Collection), a process that was already underway and was formalised in 1987 (Letter from Sommer Ribeiro to José de Azeredo Perdigão, 4 Nov. 1987, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

Strop only met with Sommer Ribeiro in person in June 1988, when he was also invited to be present at the opening of the Exposição comemorativa dos 80 anos de Vieira da Silva (Exhibition commemorating Vieira da Silva’s 80th birthday) held at the FCG and which took place on the same day (Letter from Sommer Ribeiro to Strop, 25 May 1988, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

They met again, in the presence of Roberto Gulbenkian, on 31 July 1987, when Strop was travelling in Europe to investigate possibilities for the tour (Letter from Strop to Sommer Ribeiro, 26 Jun. 1987, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

Several pieces arrived in Lisbon from the USA on 4 September 1988. They came directly from the Nakian Trust and were loans mediated by the institution, following a selection that had become significantly broader, on the request of Sommer Ribeiro and Roberto Gulbenkian. The emphasis on including more and larger pieces enhanced the extensive focus on Nakian as a high point in the Foundation’s programme. These pieces included Satyricon I, 1981 (Inv: EE7) and Voyage to Crete, 1982 (Inv: EE11), acquired by the FCG months before the opening (Contract between the Nakian Trust and the Calouste Gulbenkian Foundation, 10 Jun. 1988, Gulbenkian Archives, CAM 00143) and that the catalogue lists as already belonging to the MAC Collection (now the Modern Collection). They joined a smaller set that were already travelling through Europe after the first exhibition in Batuz-Stiftung, Schaumburg, German Federal Republic, 9 August 1987. These were “10 sculptures, 6 drawings, 3 lithographs, 3 photos Paul Nakian” that had likely been at the Barannemann Foundation, Kruishoutem, Belgium, and at the Gallerie Basmadjian, Paris, France, from where they travelled to Lisbon on 25 June 1988 (Telex from Dominique Gragnic to Maria Zaida Guerra, n.d., 25 Jun. 1988, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

The exhibition remained open until 13 November 1988, and does not seem to have attracted the press attention it deserved, considering the historical importance of the artist in question, as well as his recent death and the fact it was the first time an event like this was being held in Europe. During the two months it was open, a curious incident took place, when a child knocked over one of the pieces. The insurance companies were promptly notified and, after some bureaucracy, the situation was resolved (Letter from Sommer Ribeiro to Strop, 2 Nov. 1988, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

After it closed, similarly to other international tours, the FCG took on the role of logistic mediator. It therefore helped in Strop’s successive attempts, before and after the exhibition at the Calouste Gulbenkian Foundation, to take Nakian’s work to great institutions in other European countries, although without much success. Of the contacts established, only the Centro de Arte Reina Sofía, in Madrid, showed an interest in hosting the project (Letter from Strop to Panicali Fine Art, n.d., Jun- Sept. 1988 (?), Gulbenkian Archives, CAM 00143). The documents viewed do not show, however, that such an exhibition took place. Only the Galeria L’Isola, in Rome, received just 6 of the pieces that had remained in FCG’s care since the Lisbon exhibition closed (Letters from Strop to Maria do Céu Baptista, 2 Dec. and 15 Feb. 1988, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

Strop returned to Lisbon on 24-26 May 1989 during another trip to Europe with a view to furthering the tour of the collection, at the time in the care of the Calouste Gulbenkian Foundation. The pieces loaned by the Smithsonian Institution were immediately returned at that time (Letter from Strop to Maria do Céu Baptista, 13 Apr. 1989, Gulbenkian Archives, CAM 00143).

At the end of that year, since it was not possible for other European institutions to receive the project, it was decided that the remaining pieces at the FCG should return to the USA (Letter from Strop to Maria do Céu Baptista, 13 Dec. 1989, Gulbenkian Archives, CAM 00143). Batches of the catalogue published by the FCG as part of this retrospective were also sent to the US, and it became a reference publication for studying Reuben Nakian’s work.

As well as the sculpture Satyricon I (Inv: EE7), installed in the Gulbenkian gardens since the beginning of the 1990s, and Voyage to Crete (Inv: EE11), the Modern Collection today has four more drawings by Nakian belonging to the Heucuba Series (Inv: DE126; DE127; DE128; DE144), given by the Nakian Trust, incorporated into the exhibition. In 1990, the FCG would also acquire from them the last of 10 copies available at the time of the publication Maquete Satyricon I, 1980 (Inv: EE6) (Letter from Sommer Ribeiro to José de Azeredo Perdigão, 6 Apr. 1990, Gulbenkian Archives, CAM 00742).


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

Hecuba Series

Reuben Nakian (1897-1986)

Hecuba Series, 1960/62 / Inv. DE126

Hecuba Series

Reuben Nakian (1897-1986)

Hecuba Series, 1960/62 / Inv. DE127

Hecuba Series

Reuben Nakian (1897-1986)

Hecuba Series, 1960/62 / Inv. DE128

Hecuba Series

Reuben Nakian (1897-1986)

Hecuba Series, 1960/62 / Inv. DE144

Satyricon I

Reuben Nakian (1897-1986)

Satyricon I, 1981 / Inv. EE7

Voyage to Crete

Reuben Nakian (1897-1986)

Voyage to Crete, 1982 / Inv. EE11

Maquete Satjricon I

Reuben Nakian (1897-1986)

Maquete Satjricon I, 1980 / Inv. EE6

Satyricon I

Reuben Nakian (1897-1986)

Satyricon I, 1981 / Inv. EE7

Voyage to Crete

Reuben Nakian (1897-1986)

Voyage to Crete, 1982 / Inv. EE11


Publicações


Material Gráfico


Fotografias

José de Azeredo Perdigão e José Sommer Ribeiro (à dir.)
José de Azeredo Perdigão (ao centro)
José de Azeredo Perdigão (à esq.), Roberto Gulbenkian (ao centro) e José Sommer Ribeiro (à dir.)

Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00143

Pasta com documentação vária referente à produção da exposição «Reuben Nakian». Contém convite para inauguração; textos para catálogo; correspondência; guias de transporte de obras; orçamentos; processos de seguradoras; cópia do acordo de aquisição de obras (autografada por todas as partes), relativa às peças «Satyricon I» (1981; Inv. EE7) e «Voyage to Crete» (1982; Inv. EE11). 1991 – 1991

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00742

Pasta com documentação referente ao processo de aquisição das obras «Satyricon I, 1981 (Inv. EE7) e Voyage to Crete (1982; Inv. EE11), da autoria de Reuben Nakian. É ainda referida a aquisição de uma terceira obra do autor, Maquete para Satyricon I (1980; Inv. EE6) que seria negociada e incorporada na coleção do Centro de Arte Moderna em 1990. 1988 – 1990

Arquivos Gulbenkian (Presidência), Lisboa / PRES 02368

Pasta com cópia do acordo de aquisição das obras «Satyricon I» (1981; Inv. EE7) e «Voyage to Crete» (1982; Inv. EE11), da autoria de Reuben Nakian. Cópia autografada por todas as partes. 1988

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Comunicação), Lisboa / COM-S001/004-D00486

Coleção fotográfica, p.b. (FCG, Lisboa) 1988

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Comunicação), Lisboa / COM-S001/019-D02217

Coleção fotográfica, cor: inauguração (FCG, Lisboa) 1988

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0297-D00948

Coleção fotográfica, cor: inauguração (FCG, Lisboa) 1988

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM-S005/01/01-P0057-D02534

Coleção fotográfica: inauguração (FCG, Lisboa) 1988

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM-S005/01/01-P0057-D02535

Coleção fotográfica: aspetos (FCG, Lisboa) 1988


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.