Les Universalistes. 50 Ans d’Architecture Portugaise

Iniciativa «Printemps Culturel Portugais»

Exposição coletiva realizada no âmbito das comemorações dos 50 anos da Delegação em França da Fundação Calouste Gulbenkian. A mostra analisava meio século de pensamento e produção arquitetónica portuguesa e dava enfoque ao trabalho de arquitetos portugueses.
Collective exhibition arranged for the 50th anniversary of the Calouste Gulbenkian Foundation’s Delegation in France. The show analysed half a century of Portuguese architectural thought and production, turning the spotlight on the work of Portuguese architects.

Esta exposição inseriu-se nas comemorações do cinquentenário da Delegação em França da Fundação Calouste Gulbenkian e realizou-se fora de portas, na Cité de l’Architecture et du Patrimoine, museu de arquitetura e escultura instalado no Palais de Chaillot, em Paris. Propôs uma análise sobre meio século de pensamento e produção arquitetónica portuguesa, centrando-se no trabalho de arquitetos portugueses considerados de referência (Newsletter. Fundação Calouste Gulbenkian, n.º 175, abr. 2016, pp. 26-28).

Segundo Nuno Grande, curador da exposição, o título da mostra usou um «u» minúsculo «para que não se confunda com o Universalismo “inventado” pelos iluministas do século XVIII» (Newsletter. Fundação Calouste Gulbenkian, n.º 176, mai. 2016, p. 31). A intenção era mostrar a fusão arquitetónica de alguns dos autores, entre o «“global” e o “local” – um universalismo que resulta de um contacto contínuo com uma geografia e uma cultura do “outro”, baseado nas viagens, na colonização, na diáspora ou na emigração, fenómenos marcantes da história de Portugal» (Newsletter. Fundação Calouste Gulbenkian, n.º 174, mar. 2016, p. 25).

Tratou-se de uma exposição multimédia, onde se encontravam expostos materiais relativos a 50 projetos com maquetes (feitas, na sua maioria, por alunos de arquitetura da Universidade de Coimbra), desenhos técnicos e fac-símiles de esquissos ou esboços de arquitetos, acompanhados de outro tipo de documentação, como fotografias, textos e caricaturas, refletindo as transformações político-sociais em Portugal nos últimos cinquenta anos.

Paralelamente, Nuno Grande quis mostrar pontos de vista diversos sobre o tema, confrontando ideias portuguesas e francesas. Segundo o curador, este confronto fazia muito sentido, uma vez que se tratava de uma exposição apresentada em Paris. Para tal, Nuno Grande selecionou uma série de entrevistas com cinco críticos de arquitetura portugueses (Ana Tostões, Ana Vaz Milheiro, José António Bandeirinha, Jorge Figueira e Ricardo Carvalho) e quatro críticos franceses (Jean-Louis Cohen, Jacques Lucan, Dominique Machabert e Francis Rambert) (Newsletter. Fundação Calouste Gulbenkian, n.º 175, abr. 2016, pp. 26-28). Estas entrevistas, em formato vídeo, entraram na categoria de material expositivo complementar, tendo sido projetadas em contínuo.

A exposição organizou-se de acordo com cinco áreas distintas, correspondentes a cinco momentos da arquitetura portuguesa: Universalismo vs. (Inter)nacionalismo (1960-1974); Universalismo vs. Colonialismo (1961-1975); Universalismo vs. Revolução (1974-1979); Universalismo vs. Europeísmo (1980-2000); Universalismo vs. Globalização (2001-2016) – este último enfatizava o contraste entre a condição periférica de Portugal e a projeção universal da sua cultura (Ibid.).

Apesar de o tema do universalismo na cultura portuguesa ser comummente encontrado e abordado por muitos pensadores, não era frequente encontrá-lo associado à arquitetura, razão pela qual o curador escolheu apresentar três gerações de arquitetos que, desde 1960, trabalharam o aspeto universalista: «Esta exposição é sobre profissionais que já mostraram que, ao contrário do que muitas vezes se pensa, se pode fazer “novo” sem romper com o passado.» (Newsletter. Fundação Calouste Gulbenkian, n.º 175, abr. 2016, p. 28)

Além do material associado à arquitetura, a exposição também se fez acompanhar de material não arquitetónico, que complementava e contextualizava as problemáticas apresentadas pelos autores: suportes diversos acolhiam dados sobre os projetos, fornecendo-se informação sobre momentos político-sociais marcantes em Portugal ocorridos nos cinquenta anos anteriores, evocados e contextualizados através de imagens de época. Entre outros, destaca-se o caso de Alfredo Cunha, cujas imagens foram projetadas em contínuo ao longo da exposição. Destacavam-se também os desenhos de João Abel Manta, e ainda uma entrevista com o ensaísta Eduardo Lourenço. Estes seriam os três olhares não arquitetónicos que se evidenciariam na exposição apresentada em Paris (Newsletter. Fundação Calouste Gulbenkian, n.º 176, mai. 2016, pp. 30-32).

Igualmente relevante foi a projeção do filme Revolução, de Ana Hatherly. A conceção multimédia da exposição estava a cargo de uma equipa de que fazia parte o designer português José Albergaria (radicado em Paris) (Ibid.).

A exposição iniciava-se com imagens do Edifício Sede da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa, construída entre 1959 e 1969. Este projeto inseria-se no primeiro dos cinco momentos da exposição. Seguiam-se os restantes projetos, dispostos num percurso cronológico com a forma de um «U» (alusiva ao tema do «universalismo»).

No total, foram apresentados 50 projetos arquitetónicos do último meio século. Em 2018, passados dois anos, a exposição veio para Portugal, tendo sido apresentada entre 3 abril e 19 agosto na Casa da Arquitectura, em Matosinhos, igualmente com curadoria de Nuno Grande, mas sem o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

Ana Lúcia Luz, 2020


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Eventos Paralelos

Visita(s) guiada(s)

[Les Universalistes. 50 Ans d'Architecture Portugaise]

12 abr 2016
Cité de l'Architecture & du Patrimoine
Paris, França
Colóquio

Colloque

11 abr 2016 – 9 jun 2016
Cité de l'Architecture & du Patrimoine
Paris, França
Exposição paralela

Exposition Bibliographique. Architecture Portugaise. 1965 – 2015

12 abr 2016 – 25 ago 2016
Fundação Calouste Gulbenkian / Delegação em França – Fondation Calouste Gulbenkian – Délégation en France
Paris, França

Publicações


Material Gráfico


Fotografias

Visita guiada
Visita guiada

Multimédia


Documentação


Imprensa


Páginas Web


Fontes Arquivísticas

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa / ID: 10125

Coleção fotográfica, cor: aspetos (Palais de Chaillot /Cité de l´architecture & du patrimoine, Paris) 2016

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa / ID: 10125

Coleção fotográfica, cor: visita-guiada (Palais de Chaillot /Cité de l´architecture & du patrimoine, Paris) 2016


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.