A fonte que jorra água

«A fonte que jorra água no meio do jardim, recorrente nestes trabalhos, recupera a imagem do paraíso perdido, o jardim do Éden a que o autor procura continuamente retornar. A fonte de água corrente simboliza a fonte do perpétuo rejuvenescimento, uma forma de ultrapassar os limites da condição temporal. A água é o símbolo de purificação, um retorno às fontes matriciais, à nascente da vida.»

(Michele Rocha, in ArteTeoria nº6, 2005, p. 148)


Bibliografia


Obras Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.