19 setembro, 2018

Mais de mil pessoas nas sessões do Programa

Desde o lançamento dos primeiros concursos do Programa Cidadãos Ativ@s, no início do mês de julho, 1100 pessoas ligadas a organizações da Sociedade Civil portuguesa participaram em sessões de apresentação e de esclarecimento promovidas pelo Programa.

Em dois meses, de 19 de julho a 18 de setembro, realizaram-se oito workshops técnicos por todo o país – Açores, Madeira, Coimbra, Vila Real, Covilhã, Lisboa, Évora e Faro – para apoiar as Organizações Não-Governamentais (ONG) portuguesas na preparação de candidaturas e realizaram-se duas apresentações, em Lisboa e no Porto, que reforçaram a divulgação dos concursos de 2018.

Os workshops técnicos incluíram uma exposição sobre o Programa Cidadãos Ativ@s enquanto mecanismo de apoio à Sociedade Civil financiado pelos EEA Grants, uma explicação sobre o funcionamento do apoio técnico e as entidades que podem aceder a este mecanismo, um módulo com recomendações sobre desenho de projetos de intervenção social e outro sobre aspetos técnicos relativos ao preenchimento do formulário de candidatura. Com estes workshops, de entrada livre, o Programa Cidadãos Ativ@s pretendeu esclarecer questões e ajudar as ONG a submeter candidaturas de qualidade, de acordo com as exigências do Programa.

Os desafios da Sociedade Civil na Europa atual

No dia 14 de setembro, a apresentação pública do Programa Cidadãos Ativ@s, em Lisboa, com transmissão em direto online, encheu o Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian. O evento contou com a presença do Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, e do Embaixador da Noruega, Anders Erdal.

Nesta ocasião, houve a oportunidade de ouvir uma conferência inspiradora de Márta Pardavi, presidente da Hungarian Helsinki Committee – organização que venceu o Prémio Calouste Gulbenkian 2017 para os Direitos Humanos –, sobre os desafios da Sociedade Civil na Europa atual. “Estamos a assistir ao encolhimento do espaço cívico na Europa”, alertou a conferencista, assinalando que, no caso húngaro, os EEA Grants estão sob a mira do governo precisamente por darem um importante contributo para os recursos financeiros das organizações de direitos humanos na Hungria. E deixou o aviso, relativamente à xenofobia: “Em Portugal, o contexto é diferente mas mantenham-se atentos.”

Todas as intervenções estão disponíveis para visualização: 

https://livestream.com/fcglive/20180914ApresentacaoProgramaCidadaosAtivos

 

Materiais de apoio utilizados nos workshops técnicos de 2018:

Apresentação Programa Cidadãos Ativ@s

 

Apoio técnico a candidaturas e projetos

 

Submissão de candidaturas

 

Desenho de projetos de intervenção social