• 1991
  • Papel Fabriano
  • Serigrafia
  • Inv. 03GP1816

Helena Almeida

S/ Título

Esta serigrafia tem como ponto de partida, e também de chegada, o próprio corpo da artista, a qual afirmou: «A tela sou eu». A fotografia e a pintura conjugam-se para criar um espaço contínuo ou indefinido entre corpo e mancha pictórica, em que somente as extremidades – pé, mão, cabeça – são passíveis de identificação, tudo o resto é uma mancha-figura com a qual o corpo surge simultaneamente coberto e imerso.

 

A fotografia, que passará a ser o medium eleito a partir da década de 70, passa a ser a ponta final de um processo – no sentido de trabalho – que pode demorar dias ou meses no atelier. Cada imagem, gesto, posição, enquadramento, o lugar de onde será tirada a fotografia, é primeiro pensado-desenhado como um cineasta pensa e eventualmente desenha cada plano de um filme ou um desenhador concebe uma vinheta de banda desenhada. Ultimamente, a artista recorre igualmente ao vídeo para preparar, ensaiar as imagens-formas que terminam em fotografias ou como no caso desta obra, em serigrafia.

 

 

IC

Maio de 2010

TipoValorUnidadesParte
Altura70cmPapel
Largura67,5cmMancha
Altura67,5cmMancha
Largura70cmPapel
Tipo n.º de série
Texto14/40
TipoAquisição
DataMarço de 2003

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.