«Morder o Pó» entre as melhores exposições do ano

«Fernão Cruz. Morder o Pó» foi destacada pelos jornais Expresso e Público como uma das melhores exposições de 2021.
Vista da exposição «Fernão Cruz. Morder o Pó». Foto: Bruno Lopes

Fernão Cruz. Morder o Pó encontra-se entre as dez melhores exposições de 2021, destacadas por Celso Martins do Expresso e por Luísa Soares de Oliveira do Público. Com curadoria de Leonor Nazaré, esta exposição individual das obras de Fernão Cruz inaugurou a 24 de setembro na galeria de exposições temporárias do Museu Gulbenkian, reunindo uma seleção de 30 obras inéditas, criadas pelo artista especificamente para este projeto.

 

Vista da exposição «Fernão Cruz. Morder o Pó». Foto: Bruno Lopes

 

Três meses após a inauguração, a exposição já atingiu os 18 mil visitantes, além de ter sido objeto de várias recensões críticas e referências na imprensa, nomeadamente no Expresso (cinco estrelas), no Público-Ípsilon (cinco estrelas), no Novo Semanário, na revista Sábado e na Contemporânea, entre outros.

 

Vista da exposição «Fernão Cruz. Morder o Pó». Foto: Bruno Lopes
Vista da exposição «Fernão Cruz. Morder o Pó». Foto: Bruno Lopes

 

A exposição é acompanhada de um catálogo, que viu a sua primeira edição esgotar nas primeiras semanas da exposição, e cuja segunda edição já se encontra disponível nas lojas da Fundação Calouste Gulbenkian, contemplando imagens de todas as obras expostas, um ensaio da autoria da curadora e uma entrevista ao artista. No seguimento da exposição, foram adquiridas seis obras pelo CAM, marcando a entrada de Fernão Cruz na Coleção.

 

Vista da exposição «Fernão Cruz. Morder o Pó». Foto: Bruno Lopes
Vista da exposição «Fernão Cruz. Morder o Pó». Foto: Bruno Lopes

 

Com entrada gratuita, Fernão Cruz. Morder o Pó pode ser visitada até 17 de janeiro de 2022.

Atualização em 27 dezembro 2021