CAM em Movimento: Jaime Welsh

A convite do Centro de Arte Moderna Gulbenkian e da Contemporânea, o artista Jaime Welsh concebeu um projeto fotográfico para as páginas da revista, pensadas como um espaço expositivo.
Jaime Welsh, «For Laura (expanded Calais)», 2021. Foto: cortesia do artista

A sétima edição da revista Contemporânea desenrola-se em torno da fotografia, do seu caráter híbrido e do seu papel no campo artístico. Explora-se a problemática da fotografia como obra de arte, analisada por Walter Benjamin na década de 1930 e por Susan Sontag quatro décadas mais tarde e abordada por muitos artistas nas décadas de 1960 e 1970. Eduarda Neves é a editora convidada deste número, que junta importantes nomes no campo da arte contemporânea.

Jaime Welsh foi convidado pelo CAM e pela Contemporânea para criar um projeto fotográfico, pensando as páginas da revista como um espaço positivo. A série For Laura, captada na Fundação Gulbenkian, é a base para este projeto. A Coleção do CAM integrou em janeiro de 2022 duas obras desta série, For Laura (slice) e For Laura (velvet).

Sobre esta série, Francisca Portugal refere na revista Umbigo, «As fotografias altamente tratadas, são o resultado da combinação de metodologias sobre uma realidade construída, dentro do alcance de uma máquina fotográfica. Com base na distorção, adição de máscaras e reflexos, o artista concentra-se na relação do elemento humano com o espaço interior. Este lugar limite, por detrás de um vidro, é habitado por um corpo que está à procura e ao mesmo tempo à espera. Evocando-se assim, o sentimento da alienação psíquica. Esta sensação toma partido das características arquitetónicas, exacerbada pelos pontos de fuga nos cantos da sala, criando uma a impressão geral de vertigem e ilusão de ótica. Este desconforto latente e dúvida que paira, espelha-se de forma vincada na expressão facial e postura da figura fotografada. O corpo está reto, contraído, a testa húmida e o sobrolho carregado com o olhar. Talvez o protagonista se foque no vazio enclausurado, na náusea de um espaço fechado, estéril e em silêncio.»


BIOGRAFIA

Jaime Welsh (Lisboa, 1994) vive e trabalha em Londres. Apresentou recentemente o seu trabalho na Galeria Madragoa (Lisboa) e finalizou o MFA do Goldsmiths – University of London, em 2021, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian (2018-2021).

 

Foto: cortesia do artista


CAM EM MOVIMENTO

CAM em Movimento é uma programação «fora de portas», que reúne um conjunto de intervenções site-specific de artistas e exposições com obras da Coleção em diferentes espaços da cidade de Lisboa e da área metropolitana.

Saber mais
Atualização em 14 fevereiro 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.