Anteprojecto – Zonamento

Planta de «Zonamento» 1961

As condicionantes ao programa como proteção dos ventos e do ruído, relações visuais e de continuidade a várias escalas, entre interior e exterior, e o aproveitamento do coberto arbóreo levaram a que os arquitetos paisagistas António Facco Viana Barreto e Gonçalo Ribeiro Telles definissem três áreas distintas:

– Uma mais a sul indicada na planta como Zona A – Utilização de Parque;

– Outra, em íntima ligação, com a fachada sul do edifício indicada na planta como Zona B – Enquadramento e Utilização Relacionada com o Edifício.

Estas zonas apresentam características que lhe determinam uma forte espacialidade de Jardim/Parque.

– Uma outra, a norte do edifício, indicada na planta como Zona C –  Proteção – Acessos e Circulação Periférica desenvolve-se ao longo dos limites este e poente da propriedade. Os projetistas assumiram, esta última, como área de enquadramento.

Um conjunto de esquiços existentes no Arquivo Morto do Serviço de Projeto e Obras ilustra o processo criativo desenvolvido pelos arquitetos paisagistas durante a elaboração do anteprojeto [i].

[i] Estudo para a definição das manchas de vegetação a preservar e a projetar de acordo com as condicionantes do programa

Estudo das diferentes zonas do jardim definidas pela vegetação

  • Data de produção: 31/12/1961
  • Projetistas (autores principais): TELLES, Gonçalo Pereira Ribeiro, BARRETO, António Facco Viana
  • Contribuintes (autores secundários): FCG - Serviço de Projectos e Obras
  • Fase do projeto: Do concurso ao anteprojeto
  • Identificador: PT FCG FCG:SPO-S002-D00025-DES01007

Para consultar a versão original deste documento deverá contactar os Arquivos Gulbenkian através do endereço eletrónico arquivos@gulbenkian.pt e referenciar o identificador