• França, 1736
  • Óleo sobre tela
  • Inv. 431
  • Assinada e datada: N. de Largillierre /1736

Retrato de Monsieur e Madame Thomas Germain

Nicolas de Largillierre

Representa-se na tela, no interior da sua oficina no Louvre, o ourives Thomas Germain (1673-1748), acompanhado por Anne-Denise Gauchelet, sua mulher. O «Príncipe do Rocaille» foi nomeado em 1723 sculpteur-orfèvre du Roi, categoria assinalada na inscrição constante na carta pousada em cima da mesa: «À Monsieur/Monsieur Germain/Orfèvre du Roy/aux galleries du Louvre/à Paris». Este tipo de figuração, vulgarmente designado por «retrato oficial de artista», de contornos realistas, conserva o sentido de aparato vulgarmente associado ao gosto francês da época.

Algumas das peças representadas na composição podem ser associadas a obras conhecidas do artista, enquanto outras, como o grande gomil sobre a mesa, com asa em forma de serpente, permanecem por identificar. Thomas Germain (me. 1720) aponta orgulhosamente para um candelabro, que exibe no fuste figuras de sátiros. Este modelo viria a dar origem a uma série de peças idênticas entregues em Lisboa em 1757, com destino à corte de D. José I de Portugal, em remessa enviada pelo seu filho François-Thomas Germain (1726-1791). Ainda na prateleira, um querubim em terracota assemelha-se aos remates das terrinas fornecidas por François-Thomas às cortes de Portugal e da Rússia. Do lado oposto, uma base de querubins em volta de um tronco, em cera, pode constituir uma variante para os já mencionados candelabros. Uma esfinge de gesso testemunha, finalmente, o interesse do ourives pela egiptologia em voga.

Coleção Odiot; Coleção Duque Decazes; Coleção Georges Sortais. Adquirida por Calouste Gulbenkian, por intermédio de Agnew, Londres, 1 de dezembro de 1903.

Paris 2003

Nicolas de Largilliere. 1656-1746, Peintre du Grand Siècle, catálogo da exposição. Paris: Musée Jacquemart-André, 2003, p. 166-167, n.º 55.

Sampaio 2009

Luísa Sampaio, Pintura no Museu Calouste Gulbenkian. Lisboa/Milão: Museu Calouste Gulbenkian/Skira, 2009, pp. 76-77, cat. 28.

Atualização em 15 junho 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.