• França, c. 1913
  • Vidro
  • Inv. 1226

Vaso «Górgonas»

René Lalique

Vaso em vidro branco, moldado-soprado a cera perdida, técnica derivada de um processo antiquíssimo de fundir bronze, e patinado a cor de âmbar. Apresenta decoração constituída por quatro medalhões decorados com cabeças de górgonas, criaturas monstruosas da mitologia grega, cujos cabelos, em forma de serpentes, se intercalam com figuras humanas nuas. A utilização de elementos decorativos que simultaneamente inspiram repulsa e atração são uma característica da produção do artista e do estilo Arte Nova. O vaso, uma peça única, faz parte de um conjunto de vidros executados no início da atividade de Lalique como mestre-vidreiro e que Calouste Gulbenkian, particularmente atento ao percurso do artista, seu amigo pessoal ao longo de cinco décadas, reuniu em número considerável.

Adquirido por Calouste Gulbenkian a René Lalique, 1913.

A. 23,5 cm; L. 27 cm

Marcilhac 1989

Félix Marcilhac, R. Lalique. Catalogue raisonné de l’œuvre de verre. Paris: Éditions de l'Amateur, 1989, CP109, p. 988.

Lisboa 2000

O Gosto do Coleccionador. Calouste S. Gulbenkian 1869-1955, catálogo de exposição. Lisboa: Museu Calouste Gulbenkian, 2000, pp. 216-217, cat. 64.

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.