«Terceiro Andar» de Luciana Fina

Díptico, projeção contínua, 27’

 

O díptico convida o espectador para o espaço da palavra e do diálogo entre a mãe e a filha primogénita de uma família numerosa originária da Guiné-Bissau, e para o espaço sonoro e plástico do prédio onde esta família e a cineasta habitam. No suceder-se de um poema, de um conto, de uma carta e uma reza, as palavras transitam de uma língua para a outra, de uma detentora para a outra, criando ligações. O som sobe as escadas e os patamares, atravessa as paredes, as portas e os corredores, ocupa as casas e as varandas, percorre o prédio em toda a sua complexidade e permeabilidade.

Com a dupla projeção de Terceiro Andar, migrando para o espaço de exposição, Luciana Fina ensaia mais um gesto cinematográfico que interroga as formas narrativas e a matéria do cinema.

Curadoria: Cintia Gil e Davide Oberto

 

Uma instalação de Luciana Fina; com Fatumata Baldé e Aissato Baldé; Imagem: Helena Inverno, Rui Xavier; Som: Olivier Blanc, Miguel Cabral; Montagem: Luciana Fina; Desenho Maquinaria: Marcello Urgeghe; Colorista: Marco Amaral; Mistura de som: Tiago Matos; Assistente: Rui Silveira; Apoio à produção: BEST Patrícia Faria; Assessoria de gestão: Paula Varanda; Assistente de produção e gestão: Elsa Sertório; Produção: LAFstudio; Produtor associado: TERRATREME; Apoio: Fidelidade Property | Balleteatro; Apoio equipamentos: Ricochete Filmes | Screen Miguel Nabinho | Cineset; Projeto financiado por DGARTES Governo de Portugal | CML Câmara Municipal de Lisboa.

Agradecimentos: Manso Baldé e família Baldé, inquilinos e vizinhos do prédio, Ana Fontoura, Anil Jaintilal, Carla Bolito, Cristina Fina, Entre Imagem, Espaço Mira, Filipe Pereira, João Ribeiro, Karyna Gomes, Lidia Apa, Luísa Homem, Miguel Nabinho, Odete Semedo.

 

Luciana Fina

Notas biográficas

Trabalha em Lisboa desde 1991. Após uma longa colaboração com a Cinemateca Portuguesa como programadora independente, estreia-se no cinema em 1998. Desde então, tem desenvolvido um trabalho que migra frequentemente da sala cinematográfica para o espaço de exposição, investigando as possibilidades e as hipóteses do Cinema no campo das Artes. A partir de 2003, cria a série de retratos fílmicos reunidos no projeto O Tempo de um Retrato. Tem apresentado internacionalmente o seu trabalho em festivais e exposições. O seu mais recente documentário, In Medias Res, recebeu uma Menção Honrosa do Temps d’Images Film on Art Award e o Prémio Melhor Filme Nacional do Arquiteturas Film Festival.

Filmografia

2013In Medias Res (doc, 72’) PT; 2009/2012: Portraire (filme ensaio) PT; 2006: Le Réseau (doc, 68’) FR/PT; 2004: O Encontro (doc, 61’) PT; 2003: Taraf, três contos e uma balada (doc, 42’) PT; 2001: 24h e Outra Terra (doc, 45’) PT; 1999: Jérôme Bel, le film (55’) FR; 1998: A Audiência (doc, 76’) PT

Instalações

2016: Terceiro Andar (díptico); 2014: Être Ici (site specific); 2014: A Casa e o Tempo (site specific); 2001/2010: CCM (CCTV posto 1 – 7); 2009: HORS SUJET portrait (díptico); 2009: VUE portraits (tríptico); 2005: REFLECTION portrait (díptico); 2004: MOUVEMENT portrait (díptico); 2003: CHANT portraits (tríptico)

 

Saber mais sobre o evento