PODCAST

Only the best

O célebre lema de Calouste Sarkis Gulbenkian “only the best” (apenas o melhor) reflete a forma criteriosa como colecionava, e demonstra a relação apaixonada que desenvolveu com as suas peças.

Neste podcast, ao longo de 12 episódios, o historiador Rui Ramos e o diretor adjunto do Museu João Carvalho Dias viajam pela vida e pela coleção desta figura incontornável, revelando as histórias por trás das suas mais importantes aquisições, sempre a par dos acontecimentos que marcaram o séc. XX.

Uma parceria do Museu Gulbenkian com o Observador.

SPOTIFY Apple

 

Episódio 9: Lalique, impressionistas e o “Gulbenkian Affair”

Episódio 9: Lalique, impressionistas e o “Gulbenkian Affair”

Calouste Gulbenkian adquiriu um conjunto notável de obras de alguns dos maiores artistas europeus do século XIX. A pintura de Monet, Manet, Renoir e Degas cativou o colecionador, que se interessava também pela Arte Nova e pela Arte Déco. Este gosto levou Gulbenkian a reunir aquela que é a maior coleção privada de obras do mestre joalheiro René Lalique. O colecionador e o artista criaram uma relação tão próxima que Lalique chegou a fazer um projeto especial para a casa de Gulbenkian na Avenue d’Iéna, em Paris.

Neste nono episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, falam sobre Impressionismo, sobre a amizade entre Gulbenkian e René Lalique e sobre a ligação da coleção à National Gallery de Washington.

 

 

Episódio 8: O Grande Século e a coleção que quase ficou em Londres

Episódio 8: O Grande Século e a coleção que quase ficou em Londres

A arte europeia do século XVIII desde cedo fascinou Calouste Gulbenkian. Atraía-o o virtuosismo artístico, a nobreza dos materiais e a proveniência dos objetos, muitos de origem real. Assim, a partir de 1907, foi um perseguidor tenaz das obras de arte disponíveis no mercado que melhor representassem a qualidade artística deste período.

Neste oitavo episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, falam sobre colecionismo de arte setecentista, sobre a importância da arte do livro e da gravura, e da amizade que ligava Gulbenkian a Kenneth Clark, diretor da National Gallery britânica.

 

Episódio 7: A arte dos tecidos e dos tapetes

Episódio 7: A arte dos tecidos e dos tapetes

Este episódio de Only the Best debruça-se sobre as obras de arte em forma de tapeçaria que Calouste Gulbenkian adquiriu, hoje peças fundamentais da coleção. Ao longo da sua vida, o colecionador manteve uma notável coerência nestas compras, aliando o gosto pessoal ao seu legado cultural, enquanto arménio nascido no então Império Otomano.

Neste sétimo episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, falam do vasto conjunto de têxteis da coleção, que vão da Índia mogol à França do século XVIII.

 

Episódio 6: As viagens da colecção

Episódio 6: As viagens da colecção

Quando entram no Museu Gulbenkian, os visitantes estão longe de imaginar as viagens feitas pelas obras de arte que encontram. Não só foram criadas em momentos e lugares distintos, fizeram também parte de coleções de arte diversas até chegarem às mãos de Calouste Gulbenkian.

Mas mesmo depois de entrarem na coleção, continuaram a viajar por Washington, Londres e Paris, divididas entre as casas do colecionador e museus internacionais, que Gulbenkian prezava pelas condições de conservação das obras que ofereciam. Só em Lisboa, e depois da sua morte, é que toda a coleção se reuniu e encontrou finalmente o seu lugar definitivo.

Neste sexto episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, falam das múltiplas viagens e da última grande travessia das obras da coleção.

 

Episódio 5: Os manuscritos de Gulbenkian que cruzam culturas

Episódio 5: Os manuscritos de Gulbenkian que cruzam culturas

Conhecer a coleção Gulbenkian é também viajar entre mundos. Um desses mundos é o dos livros manuscritos. Neles, a arte da miniatura, da caligrafia e da encadernação conjugam-se de modos diversos, refletindo os contextos em que foram criados.

A primeira aquisição de um manuscrito por Calouste Gulbenkian, em 1900, foi um Alcorão. Ao longo dos 37 anos seguintes, o colecionador reuniu uma vasta coleção que vai dos Livros de Horas europeus à poesia persa.

Neste quinto episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, falam dos diferentes tempos e geografias que formam a coleção de manuscritos do Museu Gulbenkian.

 

Episódio 4: Uma casa para uma coleção: 51, avenue d’Iéna, Paris

Episódio 4: Uma casa para uma coleção

Avenue d’Iéna, Paris, 1922. Calouste Gulbenkian compra o edifício número 51 desta avenida, situada num dos principais centros da aristocracia parisiense. A casa tem como destino ser a residência da família. Contudo, Gulbenkian acaba por lhe dar outra finalidade: ali instala grande parte da sua coleção de arte, pouco utilizando este espaço como casa familiar.

O que levaria Gulbenkian a comprar uma casa e não a desfrutar? Seria esta casa já um estudo para um Museu?

Neste quarto episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, debatem estas e outras questões em torno da enigmática casa no número 51 da Avenue d’Iéna.

 

Episódio 3: Gulbenkian chegou primeiro

Episódio 3: Gulbenkian chegou primeiro

No rescaldo da revolução bolchevique, os grandes colecionadores e museus europeus e americanos fizeram chegar a São Petersburgo as listas das obras de arte da coleção do Museu Hermitage que pretendiam comprar ao governo soviético.

No entanto, a maior parte das obras desejadas já estavam nas mãos de um colecionador, que, discretamente, negociara as suas compras – Calouste Sarkis Gulbenkian.

Neste terceiro episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, conversam sobre o extraordinário episódio das compras ao Hermitage e sobre as negociações secretas que enriqueceram a coleção Gulbenkian com obras-primas como o retrato de Helena Fourment por Peter Paul Rubens.

 

Episódio 2: O Fascínio pelo Egito

Episódio 2: O Fascínio pelo Egito

Em 1934, quando visita o Egito, Calouste Gulbenkian tinha formado a sua coleção de antiguidades egípcias quase na totalidade.

Com efeito, Gulbenkian fizera as suas grandes aquisições nesta área doze anos antes, por ocasião do leilão da coleção MacGregor. Nesta compra, ocorrida em 1922, um dos seus intermediários fora Howard Carter, o mesmo que, nesse ano, seria o rosto de uma das mais bombásticas descobertas relacionadas com o Egito antigo – a do túmulo de Tutankhamon.

Neste segundo episódio do podcast dedicado à coleção Gulbenkian, João Carvalho Dias, diretor-adjunto do Museu Calouste Gulbenkian, e Rui Ramos, historiador, conversam sobre Gulbenkian, Carter, a Egiptomania e as antiguidades que hoje se encontram na galeria de arte egípcia do Museu.

 

Episódio 1: Assim começa uma coleção

Episódio 1: Assim começa uma coleção

Numa coleção de grandes obras de arte, porque começamos este podcast a falar das moedas e medalhões adquiridos por Calouste Sarkis Gulbenkian? Sabemos que, ainda jovem, comprou um conjunto de moedas antigas no bazar de Istambul. Mas a ideia que se manteve durante muito tempo, de que esta compra marcou o início da sua coleção, merece mais atenção… afinal, como começou a coleção Gulbenkian?

O conservador João Carvalho Dias e o historiador Rui Ramos falam-nos desta e doutras histórias acerca das obras que pode encontrar na galeria de arte greco-romana do Museu Calouste Gulbenkian.

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.