Saltimbancos

O circo foi tema particularmente caro aos artistas desde o início do século XX, tanto na escrita como na pintura.

Os saltimbancos eram figuras pobres, nómadas, populares, à margem da sociedade, e tinham por missão o seu entretenimento, mas também a sua caricatura. Os artistas elegeram-nos como emblemas desnaturalizados e exagerados de uma humanidade que quiseram representar, por oposição ao simbolismo, ao naturalismo e ao retrato de uma alta burguesia que caracterizara grande parte da pintura dominante do século XIX.

Entre os saltimbancos contam-se as personagens da Commedia dell’arte, teatro de comédia que nasce em Itália associado ao Carnaval e remonta ao século XVI, em que figuras mascaradas representavam emoções, mais do que personagens. Pierrot, Arlequim, Columbina e Pierrette serão tema recorrente em desenhos, pinturas e textos de Almada Negreiros, por lhe permitirem representar uma súmula das relações humanas, da condição da arte e da condição do próprio artista.

José de Almada Negreiros (1893-1970) Sem título, sem data . Assinado / Não datado . Tinta da China sobre papel . 23,5 x 15 cm. Coleção particular
José de Almada Negreiros (1893-1970) Sem título, 1931. Assinado / Datado Tinta da China sobre papel . 31,5 x 21,6 cm Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
José de Almada Negreiros (1893-1970) Sem título, sem data. Não assinado / Não datado. Grafite sobre papel . 63,3 x 48 cm Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
José de Almada Negreiros (1893-1970) Sem título, sem data. Não assinado / Não datado. Guache e aguada sobre papel . 69,5 x 46 cm. Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
José de Almada Negreiros (1893-1970) Sem título, sem data . Não assinado / Não datado . Grafite e guache sobre papel 30 x 42,5 cm. Coleção particular em depósito no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado