Coleção Moderna

Descubra uma seleção de importantes obras da Coleção Moderna, de Vieira da Silva a Hein Semke, passando por Amadeo, Júlio Pomar e Paula Rego.

 

Amadeo de Souza-Cardoso
Esta pintura é uma das mais marcantes da obra de Amadeo de Souza-Cardoso, artista com grande representação na Coleção Moderna.
Rui Chafes
«A manhã» é o nome dado por Rui Chafes a uma série de esculturas de que estas duas fazem parte, datando de 1992.
Fernando Lemos
Datado de 1949, este é um dos dois autorretratos do artista Fernando Lemos em que a vertente onírica mais se evidencia.
Lourdes Castro
Esta obra representa uma importante fase na carreira de Lourdes Castro, durante a qual se interessou pela representação da sombra.
Vieira da Silva
Maria Helena Vieira da Silva evoca aqui a obra setecentista «História Trágico-Marinha» que relata os naufrágios na era dos Descobrimentos.
Pedro Cabrita Reis
Esta instalação de Pedro Cabrita Reis evoca uma casa portuguesa ao remeter para um ambiente familiar.
Alberto Carneiro
Esta obra data de 1979, quando o artista Alberto Carneiro perfazia quase três décadas de experiência criativa, artística e artesanal.
Hein Semke
Hein Semke nasceu em Hamburgo em 1899 e veio para Portugal em 1932, onde foi pioneiro na renovação da arte cerâmica do país.
António Areal
António Areal, filho de um arquiteto do Porto, fez os seus estudos em casa, onde recebeu os primeiros ensinamentos no domínio das artes.
Mário Eloy
Nesta tela, pintada em 1930 quando o artista residia em Berlim, Mário Eloy executa uma alegoria da cidade de Lisboa.
Retrato de uma Bailarina
Este retrato da bailarina russa Natacha Baltina é considerado a obra-prima de António Soares.
Ana Vieira
Esta sala encenada é a primeira de uma série de três instalações, intitulada «Ambientes», realizadas pela artista plástica Ana Vieira.
Helena Almeida
À exceção da primeira e da última, Helena Almeida habita todas as fotografias deste conjunto de 16, datado de 1976.
Peter Blake
Esta obra consiste numa profusão de postais, a maioria alusiva ao amor, que cobrem uma escultura de madeira.
João Queiroz
Nesta paisagem não identificável, João Queiroz deixou percetíveis alguns elementos que nos remetem para um possível panorama campestre.
David Hockney
Este quadro foi pintado em 1963 pelo artista David Hockney e remete para obras do célebre pintor pré-renascentista, Piero de la Francesca.
Eduardo Viana
Este nu, uma mulher deitada de costas, foi pintado por Eduardo Viana, um dos primeiros expoentes do modernismo em Portugal.
Júlio Pomar
Júlio Pomar retrata três artistas que sofreram uma morte prematura: Mário de Sá-Carneiro, Santa-Rita Pintor e Amadeo de Souza-Cardoso.
Vespeira
Marcelino Vespeira realizou esta escultura em 1952, quando tinha 27 anos e cinco anos depois de se juntar ao movimento surrealista.
Paula Rego
Quando Paula Rego pinta este quadro, conhecido como «Salazar a Vomitar a Pátria», Salazar governava Portugal há 27 anos.
Sonia Delaunay
A artista Sonia Delaunay desenhou estas ilustrações para os figurinos de uma peça de teatro do poeta dadaísta Tristan Tzara.
Arshile Gorky
Arshile Gorky, de origem arménia como Calouste Gulbenkian, evoca, nesta pintura, a sua infância passada nas margens do lago Van.
Nocturno
O artista António Carneiro pintou este «Nocturno», um exemplo do simbolismo, em 1911, provavelmente uma vista do Porto ou de Leça da Palmeira.
Emmerico Nunes
Esta pintura terá sido executada entre 1906 e 1911, período em que o pintor residiu em Paris para estudar artes nos grandes ateliês franceses.
Canto da Maya
Esta obra do escultor açoriano Canto da Maya data de 1926, altura em abraçava um estilo próximo do então florescente movimento Art Déco.
Almada Negreiros
Esta obra resultou de uma encomenda feita ao artista Almada Negreiros para o café «A Brasileira» do Chiado, que o próprio frequentava.
Esculturas Figura, Veado e Cabeça
Estas peças, realizadas por autores portugueses contemporâneos, fizeram parte da Primeira Exposição de Artes Plásticas da Gulbenkian.