Ana Hatherly e o Barroco. Num Jardim Feito de Tinta

Artista plástica, realizadora, tradutora, escritora, Ana Hatherly (Porto, 1929 — Lisboa, 2015) foi também professora catedrática de Literatura Barroca. Com a sua investigação revalorizou esse período histórico, revelando uma profunda afinidade entre os experimentalistas do século XX, de que fazia parte, e os seus antecessores dos séculos XVII e XVIII. Esta exposição‑ensaio procura mostrar essa relação de familiaridade — no entanto, numa inversão temporal de sabor seiscentista, como num mundo ao invés, não mostramos apenas a influência do Barroco na obra da artista, mas como ela o influenciou, como o reinventou, afastando‑se do formalismo superficial, que definia o Barroco como excesso decorativo, dirigindo‑se à alma barroca, ao seu modo de ver e de se orientar no mundo.

Foi nos ensaios de Ana Hatherly que encontrámos o fio que nos guia nesta exposição, as categorias da mundivisão barroca que se revelam também na obra plástica e poética da artista: o Labirinto e as suas dobras sobre dobras; o Tempo, e a consequente aposta paradoxal no Jogo e na Morte; a Alegoria, e a folia da interpretação que promove; a Metamorfose entre pintura e poesia, entre desenho e escrita. São estes os caminhos que continuamente se bifurcam neste «jardim feito de tinta».

 

Saber mais sobre o evento

 

 

A tradição como inovação

A incorporação do passado no presente é uma acção subversiva, porque um dos efeitos mais surpreendentes da acção do tempo é transformar o usual em estranho, o conhecido em desconhecido, o ordinário em exótico. A incorporação de elementos antigos num contexto moderno rompe a continuidade, dispersa a continuidade nociva que conduz ao hábito, criando um conflito, um contraste, que não pode senão despertar o nosso consciente. Toda a cultura é diálogo e não há diálogo sem confrontação.

Ana Hatherly, A casa das musas, 1995

Ana Hatherly, «Loom», sem data. Acrílico. Coleção Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Doação da artista, 1999 Fotografia: Filipe Braga, © Fundação de Serralves, Porto
Ana-Haterly-DP1764 Ana Hatherly (1929-2015) «Salva a Alma!», 1997 Tinta da China sobre papel 12,7 × 20,3 cm Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna, inv. DP1764
Pintura Josefa de Ayala (Josefa de Óbidos) (1630-1684) «Transverberação de Santa Teresa», [1672] Óleo sobre tela 108,5 x 140 cm Paróquia de Cascais Fotografia: Carlos Azevedo

 

Labirinto: dobras sobre dobras

Uma das categorias recorrentes do Barroco é o Labirinto: dos jardins seiscentistas, passando pela experiência existencial do perder-se, até à necessidade espiritual de encontrar o caminho no mundo ambíguo. Reconhecendo-o, Ana Hatherly recolheu os esquecidos «labirintos poéticos» dos séculos XVII e XVIII, realizando uma arqueologia da poesia visual do século XX, formando uma biblioteca (essa outra metáfora do labirinto) de «textos visuais», onde se equilibram regra e invenção, constrangimento e liberdade. Esses lugares criados pela palavra não são apenas um espaço na página, mas uma topografia mental e cultural. As dobras sobre dobras que tornam o labirinto múltiplo, como as pregas dos panejamentos das esculturas barrocas, são imagem de convulsão interior e não apenas exterior. A realização de séries mostra essa mesma inquietude: repetir e divergir, variações de uma forma aberta. Percebemos por isso, nessa instabilidade, a importância do mapeamento – outra temática barroca e hatherlyana: nos seus desenhos encontramos linhas errantes, caminhos sem saída, espirais vertiginosas. Mapas da imaginação e da memória.

DEP-AH-60 Ana Hatherly (1929-2015) «Labirinto Branco», 1996 Tinta de spray sobre papel 120 x 80 cm Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
DEP-AH-61 Ana Hatherly (1929-2015) Sem Título (da série «Mapas do Mundo»), 1970 Aguarela e tinta da China sobre papel 22,2 x 30 cm Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
025 José da Assunção (? - 1751), O.E.S.A. «Hymnologia sacra: em seis partes igualmente dividida / seu author o P. M. Fr. José da Assumpção...» Lisboa Occidental: [Na Offic. da Congregação do Oratório], 1738-1744; 2 vol.; 4o (21 cm) Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, J.F. – 41-4-17 Fotografia: Carlos Azevedo

 

Tempo: o Jogo e a Morte

O verdadeiro protagonista da arte barroca é o Tempo. Desse confronto essencial com a finitude surgem duas categorias omnipresentes na cultura barroca: o Jogo e a Morte. O homem barroco é um transeunte entre a postura agónica e a lúdica. Revela–se também aí o gosto pelo paradoxal, assim como a superação das dicotomias: misturam-se o claro e o escuro, o sublime e o grotesco, o religioso e o profano, o cómico e o sério. Sem fronteiras definidas.

O lúdico é, também na obra de Ana Hatherly, uma categoria crítica fundamental – a criação é um ato lúdico. Como escreveu no livro O mestre, «o jardim é um lugar de jogo», mas é igualmente o lugar da «morte dos jogadores»: o Barroco oscila entre a Festa galante e a Vanitas – o desengano do mundo, a consciência de que «tudo passa» (Santa Teresa de Ávila), a afirmação da destruição como lei da vida, e da arte. Lição das trevas: o noturno é paisagem interior.

DP2009 Ana Hatherly (1929-2015) Sem Título (série «Paisagem Interior»), 1972 Tinta da China sobre papel 14,9 x 10,5 cm Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna, inv. DP2009
DEP-AH-22 Ana Hatherly (1929-2015) «O Jogo do Escritor I», 1970 Ponta de feltro sobre cartolina 50 x 35 cm Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
Inv Nicolas Lancret (1690-1743) «Festa Galante» França, c. 1730 Óleo sobre tela 64,5 x 69,5 cm Museu Calouste Gulbenkian – Coleção do Fundador, inv. 958

 

Alegoria: a folia da interpretação

A Alegoria é uma das estratégias da retórica barroca: fornece uma escada que vai da criatura ao criador, do natural ao transcendente, do sensível ao ideal. Tudo é outra coisa. O Barroco manifesta um interesse pela realidade e uma atenção à natureza, mas não é um simples realismo naturalista, é uma representação simbólica, emblemática. Exige um esforço do leitor ou espectador: ele tem de estar preparado e ativo, conhecer o código para interpretar.

Essa exigência hermenêutica manifesta-se no interesse de Ana Hatherly pelos sonhos, que anotava diariamente e pediu a amigos para interpretarem. Encontramo-la também no estudo sobre a simbologia atribuída às flores e aos frutos, que realizou com o objetivo de compreender obras como as de Josefa de Óbidos ou de Sóror Maria do Céu e retomou na sua obra plástica: uma romã é apenas uma romã?

O impulso alegórico espiritualiza o sensível e sensualiza o espiritual. No Barroco, onde impera a visão, o pintor é um pregador.

DP1470 Ana Hatherly (1929-2015) «A Romã», 1971 Ponta de feltro sobre postal 14 x 8,9 cm Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna, inv. DP1470
DP1511 Ana Hatherly (1929-2015) «Estudo sobre um Tema de Füssli (The Nightmare)», 1973 Tinta da China, aguarela e lápis de cera sobre papel 24 x 32 cm Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna, inv. DP1511
FAL-61-O-Sonho-de-Jacob Autor desconhecido «O Sonho de Jacob», c. 1648-1649 Óleo sobre tela 74 x 63 cm Fundação Abel e João de Lacerda – Museu do Caramulo. Doação Viscondessa de Taveiro e dos Condes de Palma, inv. FAL 61

 

Metamorfose: o diálogo oblíquo entre poesia e pintura

Nunca, como no Barroco, a pintura foi tão literária, nem a literatura foi tão pictórica. Também a obra de Ana Hatherly se estabeleceu nessa fronteira, lugar de metamorfose, entre o texto como imagem e o desenho como escrita. É esse «jogo do escritor» que recria o mundo através da palavra. Afirmou a artista: «O meu trabalho começa com a escrita – sou um escritor que deriva para as artes visuais através da experimentação com a palavra. A Poesia Concreta foi um estádio necessário, mas mais importante ainda foi o estudo da escrita propriamente dita, impressa e manuscrita, especialmente a arcaica, chinesa e europeia. O meu trabalho também começa com a pintura – sou um pintor que deriva para a literatura através de um processo de consciencialização dos laços que unem todas as artes, particularmente na nossa sociedade.»

O gosto pela mobilidade e fluidez fica claro nos desenhos que representam-escrevem o vento, o mar, as ondas, elementos em fuga, fragmentos de letras suspensas. Ana Hatherly questionou a representação e a própria obra de arte – procurou uma metalinguagem, tema também barroco. Desse modo, faz o elogio do leitor e propõe-nos uma reinvenção da leitura.

DP1465 Ana Hatherly (1929-2015) Sem Título, 1971 Tinta e letra de decalque sobre postal 8,8 x 14 cm Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna, inv. DP1465
DEP-AH-40 Ana Hatherly (1929-2015) «Estudo para O Jogo do Escritor I», 1970 Ponta de feltro sobre cartolina 13,8 x 8,8 cm Coleção particular em depósito no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna
009 Manuel de Andrade de Figueiredo (1670-1735) «Nova Escola para aprender a ler, escrever, e contar. Offerecida á Augusta Magestade do Senhor Dom Joaõ V. Rey de Portugal. Primeira parte / por Manoel de Andrade de Figueiredo, Mestre desta Arte nas cidades de Lisboa Occidental, e Oriental» Lisboa Occidental: Na Officina de Bernardo da Costa de Carvalho, Impressor do Serenissimo Senhor Infante, 1722; [18], 156 p., 44 p. grav. a buril: il. |; 2o (31 cm) Biblioteca Nacional de Portugal, RES. 3075 A. Fotografia: Carlos Azevedo