Os Pioneiros do Modernismo

Ciclo «150 Anos Arte Portuguesa»

Exposição realizada por iniciativa do Leal Senado de Macau, com a colaboração da Fundação Calouste Gulbenkian, integrada no ciclo «150 Anos de Arte Portuguesa», do qual também fizeram parte cinco outras exposições. Após o seu termo, foi organizada uma exposição-síntese, denominada «100 Anos de Arte Portuguesa», para a qual foi selecionado um conjunto de 85 obras, apresentadas nas primeiras exposições.
Exhibition arranged by the Municipal Council of Macau, in collaboration with the Calouste Gulbenkian Foundation, forming part of the 150 Years of Portuguese Art series, which included five other exhibitions. Following this exhibition, an abridged show was held, featuring a selection of 85 works from the previously staged displays, with the name 100 Years of Portuguese Art.

A exposição «Os Pioneiros do Modernismo» foi realizada no Museu Luís de Camões, em Macau, no âmbito do ciclo comemorativo «150 Anos de Arte Portuguesa», resultante de um importante programa cultural do Leal Senado de Macau, em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian. Coube à Fundação, por intermédio do Centro de Arte Moderna, a recolha, embalagem, seguro e embarque das obras, na sequência do pedido do Leal Senado de Macau.

A exposição, comissariada por Rui Mário Gonçalves, incluiu cinco trabalhos de Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), o núcleo com o maior número de obras expostas de um único artista. Inicialmente, estaria pensada uma exposição individual de Amadeo em Macau, no âmbito do ciclo; esta, todavia, não se concretizou, devido ao facto de, à época, o Centro de Arte Moderna estar a preparar a exposição comemorativa do centenário do nascimento do artista (Apontamento do Centro de Arte Moderna, 12 jan. 1987, Arquivos Gulbenkian, CAM 00112).

A importância deste ciclo foi reconhecida pela Secretaria de Estado da Cultura, que, a 29 de outubro de 1986, emitiu um despacho autorizando a saída para Macau de várias obras pertencentes aos museus dependentes do Instituto Português do Património Cultural (Ofício de Maria Margarida Marques Matias, 29 out. 1986, Arquivos Gulbenkian, CAM 00111). Integraram igualmente a exposição obras cedidas por vários colecionadores privados.

O ciclo e os catálogos publicados no âmbito da mostra foram contemplados com os prémios de «Melhor Exposição Temporária» e «Melhor Conjunto de Publicações», atribuídos pela I Trienal de Museus «Mouseion», realizada em maio de 1987 no Rio de Janeiro.

Fizeram parte deste ciclo as exposições «Os Naturalistas», «Columbano Bordalo Pinheiro», «Almada Negreiros», «Os Anos 40 a 60 na Pintura Portuguesa» e «As Últimas Décadas». Com o termo destas exposições, foi apresentada em Pequim uma exposição-síntese, intitulada «100 Anos de Arte Portuguesa», que integrou 85 trabalhos selecionados pelos comissários responsáveis pelas diversas mostras do ciclo «150 Anos de Arte Portuguesa». Esta exposição-síntese foi apresentada em Pequim durante o mês de abril de 1987 e revestiu-se de um «significado histórico fundamental nas relações dos dois países» (Carta de António Conceição Jr. para José Sommer Ribeiro, 27 mar. 1987, Arquivos Gulbenkian, CAM 00111).

O ciclo foi muito bem recebido pela imprensa macaense e registou um grande número de visitantes.

Carolina Gouveia Matias, 2017


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

(Natureza viva dos objectos)

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

(Natureza viva dos objectos), 1913 / Inv. 86P35

Mucha

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

Mucha, c.1915-1916 / Inv. 86P21

Título desconhecido

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

Título desconhecido, c.1914 / Inv. 77P32

Título desconhecido  (BRUT 300 TSF)

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

Título desconhecido (BRUT 300 TSF), c. 1917 / Inv. 77P20

Título desconhecido  (Castelo)

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

Título desconhecido (Castelo), c. 1911-1912 / Inv. 77P154

Camões

António Soares (1894-1978)

Camões, 1935 / Inv. DP911

O meu violão, que não tem cordas, só serve para isto (Retrato do Dr. Pimentel)

Armando Basto (1889 -1923)

O meu violão, que não tem cordas, só serve para isto (Retrato do Dr. Pimentel), 1918 / Inv. 83P161

Alfama

Carlos Botelho (1899-1982)

Alfama, 1933 / Inv. 83P236

s/título (Senhoras à mesa)

Cristiano Cruz (1892-1951)

s/título (Senhoras à mesa), Inv. 80P53

Évora

Dordio Gomes (1890-1976)

Évora, 1938 / Inv. 71P381

s/título (O pintor e o modelo)

Emmerico Nunes (1888-1968)

s/título (O pintor e o modelo), 1909 / Inv. DP124

Cabeça de mulher

Jorge Barradas (1894-1971)

Cabeça de mulher, 1930 / Inv. 83P327

Saloias

Jorge Barradas (1894-1971)

Saloias, Inv. 80P320

Duplo retrato

José de Almada Negreiros (1893-1970)

Duplo retrato, 1934/36 / Inv. 62P260

Casario e Figuras de um Sonho

José Dominguez Alvarez (1906-1942)

Casario e Figuras de um Sonho, c. 1932-34 / Inv. 68P299

Louco

José Dominguez Alvarez (1906-1942)

Louco, 1934 / Inv. 83P82

Nocturno

Júlio dos Reis Pereira (1902-1983)

Nocturno, 1929 / Inv. 83P371

Pequenos animais sobre a areia

Júlio dos Reis Pereira (1902-1983)

Pequenos animais sobre a areia, 1932 / Inv. 80P369

Paisagem - Casas

Manuel Bentes (1885-1961)

Paisagem - Casas, Inv. 80P757

História Trágico-Marítima ou Naufrage

Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992)

História Trágico-Marítima ou Naufrage, 1944 / Inv. 78PE97

La Rue, Le Soir

Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992)

La Rue, Le Soir, 1936 / Inv. 78PE105

La Table Ronde

Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992)

La Table Ronde, 1940 / Inv. 78PE108

Le Héros ou Le Héraut

Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992)

Le Héros ou Le Héraut, 1939 / Inv. 78PE100

s/título

Mily Possoz (1888-1968)

s/título, 1930 / Inv. 83P1276

O Tejo visto de Santa Catarina

Paulo Ferreira (Paolo) (1911-1999)

O Tejo visto de Santa Catarina, (1935) / Inv. 80P372

Casamento na Aldeia

Sarah Affonso (1899-1983)

Casamento na Aldeia, 1937 / Inv. 83P360


Publicações


Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00111

Pasta com documentação referente à colaboração da Fundação Calouste Gulbenkian, através do CAM, com o Leal Senado de Macau na organização do ciclo de exposições. Contém correspondência interna e externa, orçamentos, plantas das salas do Museu Luís de Camões e documentação sobre o empréstimo das obras de arte do acervo do CAM e de outras entidades. 1985 – 1988

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00112

Pasta com documentação referente à colaboração da Fundação Calouste Gulbenkian, através do CAM, com o Leal Senado de Macau na organização do ciclo de exposições. Contém correspondência interna e externa, orçamentos, plantas e fotografias das salas do Museu Luís de Camões, documentação sobre o empréstimo das obras de arte do acervo do CAM e de outras entidades e recortes de imprensa. 1985 – 1988

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00113

Pasta com documentação referente à colaboração da Fundação Calouste Gulbenkian, através do CAM, com o Leal Senado de Macau na organização do ciclo de exposições. Contém correspondência interna e externa, recortes de imprensa, brochura do ciclo e um convite, orçamentos, documentação sobre o empréstimo das obras de arte do acervo do CAM e de outras entidades, recortes de imprensa e material para os diversos catálogos. 1986 – 1990


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.