• 1915
  • Tela
  • Óleo e Têmpera
  • Inv. PE113

Robert Delaunay

Femme Nue Lisant

Femme Nue Lisant (Mulher Nua a Ler) pertence a um conjunto de trabalhos feito por Robert Delaunay sobre este tema durante a sua estadia na Península Ibérica, entre 1914 e 1921. É, nas palavras do próprio artista, a aplicação à figura humana das suas descobertas artísticas anteriores: «transparente, irisado, quase um arco-íris, mas vigoroso e firme na sua construção realista. Anti-descritivo, este nu reflecte todo o prisma [cromático] do país, para além da sua coloração de carne loura.»* Durante a sua estadia em Madrid, no primeiro semestre de 1915, Robert ter-se-á interessado particularmente pela utilização que Rubens fez da cor, destacando, entre as várias pinturas da colecção do Prado, a tela Diana e Calisto (1638-40), da qual tinha uma reprodução, e que mais directamente influiu no tratamento deste nu. Inspirada na amazona, sentada em primeiro plano à direita, na pintura de Rubens, a exuberante figura feminina, apenas calçada com meias de ligas e sapatos pretos, curvada sobre o livro, alheada do cigarro que arde no cinzeiro e do espelho sobre a mesa, propõe uma imagem ousada da nudez e, simultaneamente, uma revisão do tratamento iconográfico do tema da leitura.

 

Nesta tela, Robert Delaunay não se limita a retomar um modo figurativo como cita uma pintura antiga e um tema clássico, características que, a par de experimentações técnicas partilhadas com a sua mulher, Sonia Delaunay, constituem um quase completo enunciado do desenvolvimento da sua obra durante os anos da Primeira Guerra Mundial. Estas mudanças devem-se à situação de isolamento que então vive relativamente ao grupo Der Sturm, com quem colaborara activamente no período anterior à guerra, e relativamente ao qual procurará criar alternativas a partir da Península Ibérica. Concebe, deste modo, um novo eixo de produção e programação artística, que designa “norte-sul” e que procura dinamizar através do projecto das Expositions Mouvantes no qual envolve os seus “amigos portugueses”** – Eduardo Viana, Almada Negreiros, José Pacheco e Amadeo. No entanto, estas suas iniciativas acabam por não ter grande concretização. Para além da reviravolta temática proposta, a modernidade de Femme Nue Lisant reside, sobretudo, no arrojado tratamento cromático da imagem, que põe em campo a linguagem pictórica do simultaneísmo órfico, desenvolvida por Robert Delaunay a partir das pesquisas de Chevreul.***

 

O «sensualismo háptico»**** e provocatório da imagem, pode também ser relacionado com o seu carácter performativo, resultante da forte iluminação do motivo central da tela, desta forma “posto em cena”, teatralizado. Não haverá outra pintura que, como esta, misture uma tão voluptuosa expressão da herança de Rubens com os discos órficos característicos da pintura dos Delaunay, e motivos do folclore do Minho português que tanto os seduziu em Portugal, visíveis no lenço de lavradeira que cobre a mesa.

 

 

Ana Vasconcelos

Maio de 2010

 

 

* Robert Delaunay, «Notes historiques sur la peinture. Représentation et métier», in Du cubisme à l’art abstrait, Paris, SEVPEN, 1957, p. 126.

** Ver Paulo Fereira, Correspondance de quatre artistes portugais avec Robert et Sonia Delaunay, Paris, P.U.F., 1972.

*** A lei do contraste simultâneo das cores foi enunciada por Eugène Chevreul na obra De la loi du contraste simultané des couleurs et de l’assortiment des objects coloriés, em 1893.

 ****  Pascal Rousseau, «El arte nuevo nos sonríe. Robert et Sonia Delaunay en Iberia (1914-1921)», in Robert y Sonia Delaunay, Barcelona, Museu Picasso, 2000, p. 47.

TipoValorUnidadesParte
Altura198cmsuporte
Largura188,5cmsuporte
Altura199,5cmmoldura
Largura190cmmoldura
Profundidade3cmmoldura

 

 

Tipoassinatura
TextoROBERT DELAUNAY
Posiçãono verso, sobre a grade
TipoAquisição
DataNovembro 1978
Heimo Zobernig e a Colecção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian/ Heimo Zobernig and the Collection of the Calouste Gulbenkian Foundation Modern Art Centre; Heimo Zobernig and the Tate Colllection/ Heimo Zobernig e a Colecção da Tate
Lisboa/ St. Ives, CAM-FCG, Tata St. Ives, 2009
ISBN:978-1-85437-826-2
Catálogo de exposição
Hommage à Robert et Sonia Delaunay
Musée d'Art Moderne de la Villle de Paris
24 Abril a 7 Julho 1985
Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
Mostra di Robert e Sonia Delaunay
Galleria Civica D'Arte Moderna, Turim
Março a Abril 1960
Inauguração do CAM
CAM/FCG
20 de Julho de 1983
Lisboa, Centro de Arte Moderna/ FCG
Delaunay
Réunion des Musées Nationaux
Musée National d'Art Moderne, Paris
Robert Delaunay
Staatliche Kunsthalle Baden-Baden, Alemanha
25 Setembro a 14 Novembro 1976
Celebración del Arte. Médio siglo de la Fundación Juan March
Fundación Juan March
7 de Outubro de 2005 a 22 de Janeiro de 2006
Fundación Juan March, Madrid
Heimo Zobernig e a Colecção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian
CAM/FCG
Curadoria: Jürgen Bock
11 de Fevereiro a 31 de Agosto de 2009
Centro de Arte Moderna
Exposição Permanente do CAM
CAM/FCG
Curadoria: Jorge Molder
18 de Julho de 2008 a 4 de Janeiro de 2009
Centro de Arte Moderna
Atualização em 12 janeiro 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.