CAM em Yerres

Mais de 60 obras da Coleção do CAM viajaram até Yerres, em França, onde decorre a exposição Modernités portugaises.
Eduardo Viana, Sem título, sem data. Inv. 83P39

A partir de 21 de maio, a Maison Caillebotte, em Yerres, acolhe a exposição Modernités portugaises [Modernidades portuguesas], que se debruça sobre o período modernista português. A exposição foca-se nas relações entre Portugal e França, sobretudo Paris, centro artístico internacional para onde muitos artistas se deslocaram no início do século XX em busca da modernidade.

 

Ofélia Marques, «António Dacosta», sem data. Inv. DP596
Ofélia Marques, «Auto-retrato», sem data. Inv. DP588
Ofélia Marques, «Bernardo Marques», sem data. Inv. DP589

 

Modernités portugaises conta com mais de 100 obras de artistas portugueses que contribuíram para a arte moderna nacional e internacional, alguns dos quais desconhecidos para o público francês. Serão apresentadas obras de Sarah Affonso, José de Almada Negreiros, Mário Cesariny, António Dacosta, Robert Delaunay, Sonia Delaunay, Ofélia Marques, Santa Rita Pintor, Amadeo de Souza-Cardoso, Arpad Szenes, Eduardo Viana e Maria Helena Vieira da Silva.

 

Amadeo de Souza-Cardoso, «ÉTUDE DU NU (Desenho Nº 8 para o álbum “XX Dessins”)», 1912. Inv 77DP401
Amadeo de Souza-Cardoso, «LE BAIN DES SORCIÈRES (Desenho nº 10 para o álbum “XX Dessins”)», 1912. Inv DP365

 

O CAM associou-se a este projeto com a cedência de mais de 60 pinturas, desenhos e gravuras, incluindo algumas das mais importantes obras da Coleção. Parte da temporada Portugal-França 2022, a exposição estará em Yerres até outubro deste ano.  

Atualização em 27 abril 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.