Crepúsculos

05 junho / Entrada gratuita

 

A Fundação Gulbenkian é o palco do primeiro momento do programa público de Vampires in Space, o projeto de Pedro Neves Marques para a Representação Oficial Portuguesa da 59.ª Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia.

O Centro de Arte Moderna apresenta cinco sessões que celebram talentos consagrados e emergentes, em Portugal e no estrangeiro, incluindo arte, música, cinema e ciência.

Crepúsculos são uma série de manifestações crepusculares situadas entre a noite e o dia, o humano e o animal, o sónico e o visual, o local e o global que celebram a diversidade de formas de hibridização coletiva através da sintonia e colaboração entre várias entidades culturais nacionais.

Crepúsculos são uma série de sessões de partilha das intensidades, temas e interesses de Vampires in Space, o projeto de Pedro Neves Marques para a Representação Oficial Portuguesa na 59.a Exposição Internacional de Arte – La Biennale di Venezia 2022, com curadoria de João Mourão e Luís Silva.

Crepúsculos são sessões queer, inclusivas, acessíveis e abertas à participação de diversas audiências interessadas em arte, cinema, música, literatura e ecologia.

A sessão inaugural, uma colaboração de Vampires in Space com o Centro de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian, contextualiza a emergência e referências do projecto artístico e curatorial em Veneza através de uma série de eventos concebidos especificamente para os espaços da Fundação. A primeira manifestação de Vampires in Space em Portugal é assinalada por uma conversa entre Benjamin Weil, Diretor do Centro de Arte Moderna da FCG, a dupla João Mourão e Luís Silva, curadores do Pavilhão de Portugal, e Filipa Ramos, curadora de Crepúsculos, a série de programas públicos de Vampires in Space.

Crepúsculo Sonâmbulo será o screening de dois filmes de artista— Nosferasta, de Adam Khalil & Bayley Sweitzer com Oba, e A Mordida, de Pedro Neves Marques—que ecoam formas de contágio e transmissão em contextos tropicais entre passado e presente, história e identidade.

Considerando o papel que a poesia tem tido na exploração das variações linguísticas e contextuais da língua portuguesa, bem como na abordagem de questões de identidade e expressões de afetos, o segundo momento de Crepúsculos, intitulado Crepúsculo Opúsculo, será constituído por uma série de leituras de poesia nos jardins da FCG.

Seguir-se-á Crepúsculo Tentáculo, uma listening session crepuscular, também nos jardins da FCG com Haut, artista que explora o som como meio de ligação, e que realizou a música para Vampires in Space.

Investigando a relação entre a figura do vampiro e o animal que lhe serviu de referência, estabelecendo uma ponte entre arte, ciência e biologia, a sessão final, Crepúsculo Vernáculo, será um passeio-conversa com o biólogo Jorge Palmeirim em busca de reverberações, sinais e presenças de morcegos nos jardins da FCG.

 

Curadoria Filipa Ramos
Assistente de curadoria Diogo Pinto

 

Organização e comissariado

Mecenas principal

Apoio

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.