Estudo de diferentes tipos de limite a definir no Parque Gulbenkian – Lado Poente

Este esboço integra um conjunto[i] de estudos desenvolvidos na sequência das inundações ocorridas em Lisboa, em novembro de 1967.

Estas inundações tiveram um enorme impacto em toda a extensão do parque. Este facto alertou para a necessidade de tomar previdências, em relação a situações futuras, tanto mais que algumas obras, que haviam sido realizadas na Praça de Espanha e anunciadas para a Avenida de Berna, pela Câmara Municipal, viriam a agudizar aquela situação.

Ribeiro Telles, em maio de 68, elabora estes estudos para a definição da tipologia de limite a usar nas frentes Nascente, Poente e Norte do parque. Na proposta apresentada em 1961 assim como no Projecto de Revisão não era prevista a construção de um muro a delimitar o Parque.

Estes estudos levam à decisão da construção de um muro com um talude. O muro e o talude [ii] funcionam como um dique que protege toda a área de futuras inundações.

O muro proposto aproveitaria as pedras do limite amuralhado do Parque de Santa Gertrudes.

Em finais de 1968 estavam estabelecidas as soluções de vedação do parque, que só começaram a ser construídas em abril de 1969.

 

[i]  Estudo de diferentes tipos de limite a definir no Parque Gulbenkian – Lado Nascente I

Estudo de diferentes tipos de limite a definir no Parque Gulbenkian – Lado Nascente II

Estudo de diferentes tipos de limite a definir no Parque Gulbenkian – Lado Norte

Estudo de diferentes tipos de limite a definir no Parque Gulbenkian – Lado Poente, acesso

[ii]  Corte Tipo – Muro de Vedação

Corte Tipo – Muro de Vedação

  • Data de produção: 05/1968
  • Projetistas (autores principais): TELLES, Gonçalo Pereira Ribeiro
  • Fase do projeto: Do concurso ao anteprojeto