• Pérsia, Caxã (?), final do século XII ou início do século XIII
  • Faiança pintada sob e sobre o vidrado 
  • Inv. 935

Taça com pé

Taça com pé, de bordo recortado, em cujo interior se encontra representada uma cena de corte com referências à caça ao falcão e ao jogo de polo: ao centro, um jovem príncipe, sentado num trono de espaldar alto, rodeado por quatro cavaleiros que alternam com pares de falcões afrontados. Os cavaleiros empunham bastões de polo, um dos passatempos favoritos da corte iraniana. À rica policromia minai do interior opõe-se a sobriedade da decoração exterior unicamente caligráfica, onde se podem ler votos de longevidade e poder ao possuidor da taça.

Esta peça revela a inspiração extremo-oriental através da sua morfologia e da tonalidade esbranquiçada do vidrado. A temática decorativa, representando uma cena de corte, insere-se na tradição do Médio Oriente. Os oleiros persas desenvolveram uma técnica designada por minai, que lhes permitia o emprego de uma gama variada de cores, técnica utilizada nesta peça com decoração em azul, vermelho, verde, violeta, negro e ouro.

Adquirida por Calouste Gulbenkian a Kevorkian, Paris, 19 de agosto de 1912.

Lisboa 1963

Arte do Oriente Islâmico. Colecção da Fundação Calouste Gulbenkian, catálogo de exposição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1963, n.º 11.

Mota 1988

Maria Manuela Mota, Catálogo de Louças Islâmicas. Volume 1: Louças Seljúcidas. Lisboa: Museu Calouste Gulbenkian, 1988, pp. 86-87, n.º 23.

Goffen 1995

Rona Goffen (ed.), Museums Discovered. The Calouste Gulbenkian Museum. Fort Lauderdale, Florida: Woodbine Books, 1995, pp. 162-163.

Nova Iorque 1999

Katharine Baetjer e James David Draper (eds.), «Only the Best». Masterpieces of the Calouste Gulbenkian Museum, Lisbon, catálogo de exposição. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art, 1999, pp. 52-53, cat. 21.

Madrid 2001

Un jardín encantado. Arte islámico en la Colección Calouste Gulbenkian, catálogo de exposição. Madrid: Fundación Santander Central Hispano, 2001, pp. 30-31, n.º 1.

Atualização em 21 junho 2022

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.