A Arte e o Mar

Comemorações dos 500 Anos da Primeira Viagem de Vasco da Gama à Índia (1497 – 1499)

Exposição organizada em torno da temática escolhida para a inauguração da Exposição Mundial de 1998, «Oceanos: Um Património para o Futuro». Projetada por Francisco Baptista Pereira, a mostra reuniu um conjunto de 320 objetos das mais diversas vertentes artísticas, relatando a relação do homem com o mar desde a Antiguidade até à contemporaneidade.
Exhibition organised on the opening theme of the 1998 Lisbon World Exposition: “The Oceans, a Heritage for the Future”. Designed by Francisco Baptista Pereira, the show featured a selection of 320 works in a variety of artistic styles, which traced the relationship between man and the sea from Antiquity to the modern day.

Exposição organizada pelo Museu Calouste Gulbenkian (MCG), por iniciativa da então jubilada diretora do museu, Maria Teresa Gomes Ferreira, e em torno da temática escolhida para a inauguração da Expo'98 – «Oceanos: Um Património para o Futuro».

A Exposição Mundial de 1998 (mais conhecida como Expo'98) realizou-se entre maio e setembro daquele ano com o propósito de comemorar os 500 anos da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia (1497-1499), projeto idealizado em 1989 pelos promotores da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, António Mega Ferreira e Vasco Graça Moura. O evento contou com a participação de 143 países e 14 organizações internacionais. Milhares de atividades culturais contribuíram para o renascimento da zona oriental de Lisboa, tendo sido contabilizados, no total, cerca de 11 milhões de visitantes, portugueses e estrangeiros, que visitaram a cidade na primavera e no verão de 1998 (Expresso, 30 set. 2018). Paralelamente, este evento visou promover «uma reflexão colectiva e responsabilizante sobre o nosso futuro e sobre uma das principais fontes de recurso do mundo» (A Arte e o Mar, 1998, p. 15).

Projetada por Fernando António Baptista Pereira, diretor do Museu de Setúbal, a exposição abordou a temática da relação do homem com o mar, reunindo um leque de 320 peças de arte, maioritariamente de origem portuguesa, das mais variadas tipologias – pintura e escultura, passando pelo mobiliário, a cerâmica e a ourivesaria – e compreendendo um período cujas balizas se fixavam entre a Antiguidade Clássica e a contemporaneidade.

A temática marítima sempre predominou na cultura e na vida do povo português, sendo «um dos seus mais fortes elementos estruturadores. Omnipresente na nossa geografia pela longa extensão de costa, constituiu, em relação à terra, alternativa de desenvolvimento, e foi nos séculos XV e XVI o caminho da Europa para a abertura do Mundo, pelo conhecimento de outras culturas», de acordo com a opinião de João Castel-Branco Pereira, diretor do Museu Calouste Gulbenkian (Ibid., p. 11).

Pertencentes, na sua maioria, a 64 museus e coleções particulares nacionais e estrangeiras, as obras patentes em «A Arte e o Mar» foram dispostas ao longo dos dois pisos da Sede Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) e seguiram a temática utilizada em seis diferentes núcleos. Para iniciar «a viagem alucinante pela temática marítima», o visitante encontrava desde logo na entrada da exposição «uma escultura trágico-marítima de Clara Menéres, secundada pela tapeçaria vanguardista Domingo Lisboeta de Almada Negreiros, contrastando com a encomenda manuelina O Desembarque – Chegada de Vasco da Gama a Calecut» (Ferreira, A Capital, 19 mai. 1998).

O primeiro núcleo, «Primeiras Imagens do Mar: Entre o Desejo e o Medo», com um caráter didático e temático, afastou a excessiva preocupação com o rigor cronológico e apresentou algumas peças da Antiguidade Clássica e da Idade Média, como mosaicos em que figuravam representações de peixes, e outros objetos com episódios mitológicos, remetendo o visitante para a ideia de que o mar, naquela época, seria ainda um gigante desconhecido e «confinado por continentes» (Comunicado de imprensa, 1998, Arquivos Gulbenkian, MCG 03422). Este núcleo apresenta o início do uso do mar como elemento figurativo na arte, algo que acontece com as «civilizações do Mediterrâneo cuja riqueza cedo dependeu de contactos comerciais e de comunidades de mercadores radicadas nos principais centros urbanos: os Fenícios, os Minóicos e Micénicos e, finalmente, os Gregos» (A Arte e o Mar, 1998, p. 17).

O segundo núcleo, dedicado ao tema «O Mar na Arte em Portugal na Época dos Descobrimentos», deu primazia a objetos que remetessem para o tema da náutica e a novos olhares, que se foram centrando na «tradição figurativa».

«A Arte que Veio pelo Mar», o terceiro núcleo, evocou sobretudo as relações existentes entre o Ocidente e o Oriente, bem como as influências culturais e artísticas decorrentes das rotas comerciais, destacando peças de mobiliário, têxteis e cerâmica.

No quarto núcleo, «Portos e Vivências Marítimas», estiveram em foco as apropriações do mar pela arte e pela cultura, testemunhando a assimilação de «novos hábitos e rotinas, impostos pela frequência das viagens e pela crescente importância das realidades marítimas na vida das sociedades» (Comunicado de imprensa, 1998, Arquivos Gulbenkian, MCG 03422). Neste núcleo podiam ver-se objetos com decorados motivos marinhos e peças de cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro.

No piso superior, o visitante entrava no quinto núcleo, dedicado ao tema «O Mar entre a Celebração e a Elegia», no qual se destacava a sociedade oitocentista e a sua relação com o mar, com apresentação de algumas obras de artistas estrangeiros, como William Turner.

A mostra terminava no sexto e último núcleo, que passava em revista a temática do mar na contemporaneidade e em que estavam em foco, nomeadamente, pinturas de Noronha da Costa e de Câmara Pereira (Ferreira, A Capital, 19 mai. 1998).

Na opinião do comissário científico da exposição, Paulo Baptista Ferreira, o percurso expositivo foi «"magnificamente desenhado" pelo designer Mariano Piçarra, que valorizou o conceito da mostra e complementou o espaço com excertos de poesias maioritariamente retirados da Literatura Portuguesa, com destaque para Miguel Torga e para a sua obra sobre o tema do Mar Português, excertos que se encontravam ao longo da exposição» (A Arte e o Mar, 1998, p. 23).

Esta opinião seria corroborada por João Pinharanda no artigo que redigiu para o jornal Público: «Para o bom êxito de uma exposição (que reúne 320 peças díspares de 64 colecções), muito se deve referir o trabalho excelente de montagem de Mariano Piçarra (ângulos de relação entre peças e aberturas entre os jardins e o exterior da sala superior, por exemplo).» (Pinharanda, Público, 19 mai. 1998)

A despreocupação cronológica e a liberdade e abrangência do projeto museográfico valerá, de resto, uma boa receção por parte da imprensa escrita em geral, captando nomeadamente o interesse de Júlio Pomar, que afirma: «Um projecto museográfico […] onde parece evitar-se a proposição de um discurso sobre os objectos para manter aberta toda a possível diversidade da sua relação com o espectador, de ordem científica, técnica, historiográfica, fetichista, estética, etc., ainda que essa aparente ausência de discurso, oferecida na contiguidade das suas presenças “objectivas”, seja em si mesmo um certo discurso, ou melhor, uma atitude. Será um panorama com muito interesse para o estudo antropológico do gosto – mais precisamente, do bom gosto –, que o design expositivo serve adequadamente […].» (Pomar, Expresso, 30 mai. 1998).

À semelhança da exposição, o catálogo seria igualmente organizado em seis núcleos temáticos, contando com ensaios introdutórios para cada um deles, redigidos por especialistas do campo da história e da história da arte. Entre os especialistas, encontramos Luís Krus, Dagoberto L. Markl, José Meco, Alexandra Reis Gomes, Maria de Aires Silveira, Cristina Azevedo Tavares. A edição da publicação não teria sido possível sem a participação de «um vasto leque de colaboradores, que trataram as entradas dos mais de trezentos objectos expostos, que se estendem por um arco cronológico de mais de 2500 anos» (A Arte e o Mar, 1998, p. 23).

A exposição foi complementada com um conjunto de visitas guiadas, realizadas pelo Serviço Educativo do Museu Calouste Gulbenkian, algumas das quais conduzidas pelo comissário científico da mostra, Francisco Baptista Pereira, que, no âmbito das visitas comentadas, teve oportunidade de partilhar a sua visão curatorial. Numa destas sessões, a que assistiu João Pinharanda, o comissário terá afirmado: «Eu não faço uma exposição para os meus colegas, eu faço exposições para as pessoas, desejo que elas tenham uma visão antropológica dando lugar à obra-prima e ao objecto quotidiano.» (Pinharanda, Público, 19 mai. 1998)

Apesar das dificuldades encontradas na escolha de obras que ilustrassem a temática da «Arte e o Mar», uma vez que já estariam a ser realizadas na época outras mostras com objetivos semelhantes, a exposição organizada na Fundação Calouste Gulbenkian conseguiu reunir algumas das mais notáveis obras de artistas do naturalismo português, desde Cristino da Silva, José Malhoa, Sousa Lopes, até às paisagens de António Carneiro.

A exposição encerrou a 30 de outubro de 2018, contabilizando um total de 49 592 visitantes e perfazendo uma média de 541 visitantes por dia (Ofício de José Castel-Branco Pereira para Francisco Andrade de Medeiros, 23 set. 1998, Arquivos Gulbenkian, MCG 03109).

Joana Atalaia, 2018


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

La guirlande d' Aphrodite

André-Ferdinand Herold (1865 - 1940)

La guirlande d' Aphrodite, Séc. XX / Inv. LM366

Antoine Sébastian Durand (maître 1740)

1754-1755 / Inv. 2381

Sem título

António Carneiro (1872-1930)

Sem título, Inv. 83P452

A Armada do Rei Dom Sebastião

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

A Armada do Rei Dom Sebastião, 1988/89 / Inv. 92P211

O Pintor Ele - Mesmo no Seu Espaço-Poético

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

O Pintor Ele - Mesmo no Seu Espaço-Poético, 1979/80 / Inv. 83P464

Shipbreaking Talmouth

BONE, David Muirhead (1876-1953)

Shipbreaking Talmouth, c. 1899 (?) / Inv. 2158

Ames bretonnes

Camille Mauclair (1872 - 1945)

Ames bretonnes, 1907 / Inv. LM340

Barcos

Carlos Botelho (1899-1982)

Barcos, 1948 / Inv. 83P375

Doca do peixe

Carlos Botelho (1899-1982)

Doca do peixe, 1933 / Inv. 83P235

Doca do peixe

Carlos Botelho (1899-1982)

Doca do peixe, 1933 / Inv. 83P235

Les fleurs du mal

Charles Baudelaire ( 1821 - 1867)

Les fleurs du mal, 1857 / Inv. LM27

Sereia Alada arrebatando um Adolescente

Denys Pierre Puech (1854-1942)

Sereia Alada arrebatando um Adolescente, 1899 / Inv. 2083

Desconhecido

Século XVIII / Inv. 927

Desconhecido

Inv. 124A

Desconhecido

Inv. 124B

Desconhecido

Inv. 124C

Desconhecido

c.406 a. C. / Inv. N171

Desconhecido

Inv. N601

Desconhecido

c.210 a. C. / Inv. N118

Desconhecido

Inv. N874

Desconhecido

Inv. 1307

Desconhecido

Inv. 1335

Desconhecido

Século XIV / Inv. 890

Desconhecido

Século XIV / Inv. 895

Apocalipse

Desconhecido

Apocalipse, c.1265-1275 / Inv. LA139

Fonte com Tritão e Golfinho

Desconhecido

Fonte com Tritão e Golfinho, Séc. XVII / Inv. 748

Le microscope des visionnaires ou Le hochet des incrédules. Almanach orné de jolies gravures.

Desconhecido

Le microscope des visionnaires ou Le hochet des incrédules. Almanach orné de jolies gravures., S.d. / Inv. LA225

Tapete "Português"

Desconhecido

Tapete "Português", Inv. T99

Le Paysage Survolé

Emília Nadal (1938-)

Le Paysage Survolé, 1982 / Inv. 83P538

Ciprestes em Scutari

Félix Ziem (1821-1911)

Ciprestes em Scutari, 2ª metade do séc. XIX / Inv. 397

Vista do Velho Porto de Marselha

Félix Ziem (1821-1911)

Vista do Velho Porto de Marselha, c. 1850-60 / Inv. 137

A Largada do Bucentauro

Francesco Guardi (1712-1793)

A Largada do Bucentauro, c. 1765-80 / Inv. 392

Dessins originaux de Louis Morin pour illustrer "Candide" de Voltaire

François Marie Arouet, conhecido por Voltaire (1694-1778)

Dessins originaux de Louis Morin pour illustrer "Candide" de Voltaire, 1911 / Inv. LM434

Peau-Brune [De Saint-Nazaire à La Ciotat, Journal de Bord]

François-Louis Schmied (1873-1941)

Peau-Brune [De Saint-Nazaire à La Ciotat, Journal de Bord], 1931 / Inv. LM389A/B

Marinha

Frits Thaulow (1847-1906)

Marinha, c. 1894-1898 / Inv. 279

Histoires et aventures.

Hans Christian Andersen (1805-1875)

Histoires et aventures., 1909 / Inv. LM3

Homem com archote

HOKKEI, Toyota

Homem com archote, Inv. 1999C

J. N. Roettiers (maître 1765)

Inv. 1077A/B/C/D

Vista da Costa da Noruega ou Mar encrespado junto à Costa

Jacob van Ruisdael (1628/29-1682)

Vista da Costa da Noruega ou Mar encrespado junto à Costa, c. 1660 / Inv. 120

O Mar perto de Bolonha

Jean-Charles Cazin (1841-1901)

O Mar perto de Bolonha, c. 1875 / Inv. 358

Marinha

José Júlio Andrade dos Santos (1916-1963)

Marinha, 1962 / Inv. 82P460

O Cais

José Júlio Andrade dos Santos (1916-1963)

O Cais, 1956 / Inv. 80P458

Le roman de Tristan et Iseut

Joseph Bédier (1864 - 1938)

Le roman de Tristan et Iseut, 1900 / Inv. LM29

Naufrágio de um Cargueiro

Joseph Mallord William Turner (1775-1851)

Naufrágio de um Cargueiro, c. 1810 / Inv. 260

RETO: No Reno; VERSO: Marinha

Joseph Turner (1775-1851), atrib.

RETO: No Reno; VERSO: Marinha, Inv. 371

Tableau de la France

Jules Michelet (1798 - 1874)

Tableau de la France, Séc. XIX / Inv. LM427

Mulheres na Praia

Júlio Pomar (1926-2018)

Mulheres na Praia, Inv. 81P447

Pescadores

Júlio Resende (1917-2011)

Pescadores, 1957 / Inv. 83P442

KORYUSAI, Isoda

c.1771-72 / Inv. 1958

Histoire de Manon Lescaut et du chevalier des grieux

L'Abbé Prévost (1697 - 1763)

Histoire de Manon Lescaut et du chevalier des grieux, 1885 / Inv. LM224

Do Subnaturalismo ao Sobrenaturalismo (Pintura Fria)

Luís Noronha da Costa (1942-2020)

Do Subnaturalismo ao Sobrenaturalismo (Pintura Fria), Inv. 88P535

Mar Português (da série: Mares portugueses)

Luís Noronha da Costa (1942-2020)

Mar Português (da série: Mares portugueses), Inv. 82P431

Antologia de Iskandar

Mahmud ibn Ahmad al-Hafiz al Husseini

Antologia de Iskandar, A.H.813 corresponde ao ano de 1411 / Inv. LA161

Vies imaginaires

Marcel Schwob (1867 - 1905)

Vies imaginaires, 1896 / Inv. LM319

Poèmes en prose

Maurice de Guérin (1810 - 1839)

Poèmes en prose, 1840 e 1861 / Inv. LM409

Poh - Dèng. Scènes de la vie siamoise

P.-Louis Rivière ((Séc. XIX - XX)

Poh - Dèng. Scènes de la vie siamoise, (1913) / Inv. LM242

View of the Bay

Patrick Caulfield (1936-2005)

View of the Bay, Inv. PE250

Les ballades françaises - Montagne, forêt, plaine, mer

Paul Fort (1872 - 1960)

Les ballades françaises - Montagne, forêt, plaine, mer, 1927 / Inv. LM328

Quinze jours en Hollande. Lettre à un ami

Paul Verlaine (1844-1896)

Quinze jours en Hollande. Lettre à un ami, s.d. (1893) / Inv. LM280

Les Chansons de Bilitis

Pierre Louÿs (1870-1925)

Les Chansons de Bilitis, 1894 / Inv. LM413

Barca Florida

René Lalique (1860-1945)

Barca Florida, c. 1904-1906 / Inv. 1225

Menina do Mar

René Lalique (1860-1945)

Menina do Mar, c. 1919 / Inv. 1241

Peixes e Naídes

René Lalique (1860-1945)

Peixes e Naídes, c. 1899 - 1901 / Inv. 1172

Rapto de Dejanira

René Lalique (1860-1945)

Rapto de Dejanira, c. 1903 / Inv. 1190

Sereia agachada

René Lalique (1860-1945)

Sereia agachada, c. 1920 / Inv. 1242

Robert-Joseph Auguste (maître 1757)

1767-1768 / Inv. 2315A/B

La mer de Nice

Théodore de Banville (1823 - 1891)

La mer de Nice, 1933 / Inv. LM317

TOYOKUNI, Utagawa

Inv. 1988A

Plymouth com Arco-Íris

TURNER, Joseph (1775-1851)

Plymouth com Arco-Íris, c. 1825 / Inv. 374

A Entrada do Velho Porto de Marselha

ZIEM, Félix (1821-1911)

A Entrada do Velho Porto de Marselha, c. 1862 / Inv. 373

Sem título

António Carneiro (1872-1930)

Sem título, Inv. 83P452

A Armada do Rei Dom Sebastião

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

A Armada do Rei Dom Sebastião, 1988/89 / Inv. 92P211

O Pintor Ele - Mesmo no Seu Espaço-Poético

António Costa Pinheiro (1932- 2015)

O Pintor Ele - Mesmo no Seu Espaço-Poético, 1979/80 / Inv. 83P464

Barcos

Carlos Botelho (1899-1982)

Barcos, 1948 / Inv. 83P375

Doca do peixe

Carlos Botelho (1899-1982)

Doca do peixe, 1933 / Inv. 83P235

Doca do peixe

Carlos Botelho (1899-1982)

Doca do peixe, 1933 / Inv. 83P235

Apocalipse

Desconhecido

Apocalipse, c.1265-1275 / Inv. LA139

Le Paysage Survolé

Emília Nadal (1938-)

Le Paysage Survolé, 1982 / Inv. 83P538

Marinha

José Júlio Andrade dos Santos (1916-1963)

Marinha, 1962 / Inv. 82P460

O Cais

José Júlio Andrade dos Santos (1916-1963)

O Cais, 1956 / Inv. 80P458

Mulheres na Praia

Júlio Pomar (1926-2018)

Mulheres na Praia, Inv. 81P447

Pescadores

Júlio Resende (1917-2011)

Pescadores, 1957 / Inv. 83P442

Do Subnaturalismo ao Sobrenaturalismo (Pintura Fria)

Luís Noronha da Costa (1942-2020)

Do Subnaturalismo ao Sobrenaturalismo (Pintura Fria), Inv. 88P535

Mar Português (da série: Mares portugueses)

Luís Noronha da Costa (1942-2020)

Mar Português (da série: Mares portugueses), Inv. 82P431

View of the Bay

Patrick Caulfield (1936-2005)

View of the Bay, Inv. PE250

Quinze jours en Hollande. Lettre à un ami

Paul Verlaine (1844-1896)

Quinze jours en Hollande. Lettre à un ami, s.d. (1893) / Inv. LM280


Eventos Paralelos

Visita(s) guiada(s)

[A Arte e o Mar]

mai 1998 – ago 1998
Fundação Calouste Gulbenkian / Edifício Sede
Lisboa, Portugal

Publicações


Material Gráfico


Fotografias

Luís Guimarães Lobato, Fernando António Baptista Pereira e Victor Sá Machado
Vasco Graça Moura, Maria Teresa Gomes Ferreira, Victor Sá Machado e Fernando António Baptista Pereira
Fernando António Baptista Pereira, Vasco Graça Moura, Victor Sá Machado, Luís Guimarães Lobato e João Castel-Branco Pereira
Fernando António Baptista Pereira e Victor Sá Machado
Fernando António Baptista Pereira

Documentação


Periódicos


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03109

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência interna e externa sobre o catálogo e a cedência de peças para a exposição, referências sobre as visitas guiadas, materiais de divulgação, orçamentos e recortes de imprensa. 1997 – 1998

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03108

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência interna e externa referente à cedência de peças para a exposição, orçamentos e encomendas, roteiro, folheto e textos para os convites e cartaz. 1997 – 1998

Arquivos Gulbenkian (Museu Calouste Gulbenkian), Lisboa / MCG 03422

Pasta com documentação referente à produção de várias exposições. Contém materiais de divulgação e recortes de imprensa. 1994 – 2008

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Comunicação), Lisboa / COM-S001-D02868

Coleção fotográfica, cor: objetos (FCG, Lisboa) 1998


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.