Arte do Índio Brasileiro

Exposição proposta pela Embaixada do Brasil à Fundação Calouste Gulbenkian, reunindo um significativo número de peças representativas da cultura indígena da Amazónia, organizada pelos antropólogos Jorge Dias e Victor Bandeira. Apresentada no salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, mostrou um total de 367 objetos.
Exhibition uniting a large number of works representative of the indigenous culture of the Amazon, organised by the anthropologists Jorge Dias and Victor Bandeira and proposed to the Calouste Gulbenkian Foundation by the Embassy of Brazil. The show displayed 367 items and was held at the Sociedade Nacional de Belas-Artes (National Society of Fine Arts in Lisbon).

Esta exposição teve origem na proposta apresentada pela Embaixada do Brasil em Portugal, na qual era solicitado o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) para a «apresentação, em Lisboa, de uma exposição de peças de interesse arqueológico e artístico das culturas brasileiras indígenas da Amazónia e de outras regiões», que seria organizada pelo professor e antropólogo Jorge Dias e pelo antropólogo e colecionador Victor Bandeira (Apontamento do Serviço de Belas-Artes, 11 mai. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15357).

A mostra decorreu no salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, espaço considerado pela FCG como o mais «indicado pelas suas dimensões», acrescentando que «o aproveitamento da sua forma se adapta a uma solução decorativa, sugerida pela ambiência dos interiores das habitações do índio do Amazonas» (Apontamento do Serviço de Belas-Artes, 17 jun. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15357).

A montagem da exposição foi concebida por José Sommer Ribeiro e Fernando de Azevedo, tendo sido marcada pelo conjunto de armações em madeira «distribuídas a toda a volta da sala e no centro, formando, com uma aplicação de vidros, umas vezes espaços fechados em vitrina, outras, zonas abertas, conforme as necessidades de exposição das peças». O teto foi revestido por um material artesanal «tipo esteira», de modo a ser criada «uma penumbra necessária em que as incidências de luz, directamente sobre as peças, melhor definiriam as suas formas e cor» (Ibid.).

Nesta exposição, foram apresentados 367 objetos recolhidos por Victor e Françoise Bandeira no Brasil, executados em técnicas e materiais diversos, e que visavam dar «um panorama arqueológico a par de um panorama etnográfico de aspectos essenciais da vida do Índio Brasileiro e da sua arte de ontem e de hoje» (Comunicado de imprensa, 18 out. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15357).

Além das peças expostas, foram também apresentadas fotomontagens a partir do material fotográfico recolhido por Victor Bandeira, «que documentam amplamente os aspectos da vida e caracterização local do índio brasileiro, explicando a forma de uso de certas peças expostas» (Apontamento do Serviço de Belas-Artes, 17 jun. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15357).

Refira-se ainda que, além do aspeto etnográfico, era objetivo dos organizadores chamar a atenção para o significado mais amplo dos objetos expostos, «que transcende o próprio valor científico e estético da colecção de que fazem parte» (Arte do Índio Brasileiro, 1966).

A curta duração da exposição e a intensa afluência do público levaram a que a FCG decidisse mantê-la aberta, nos últimos dias, em horário expandido, «não só das 14 às 20h […], mas também, e a título excepcional, das 21 às 23.30 horas» (Comunicado de imprensa, 27 out. 1966, Arquivos Gulbenkian, SBA 15357).

Joana Baião, 2014

The exhibition was proposed by the Brazilian Embassy in Portugal who requested sponsorship from the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG) for “an exhibition in Lisbon of works of archaeological and artistic interest by Brazilian indigenous cultures of the Amazon and other regions”, to be organised by the teacher and anthropologist, Jorge Dias, and the anthropologist and collector, Victor Bandeira (cf. Apontamento do Serviço de Belas Artes, 11th May 1966, Gulbenkian Foundation, SBA 15357).

The show was held in the salon of the Sociedade Nacional de Belas-Artes [National Society of Fine Arts], considered appropriate for its “dimensions, as well as its shape which could be adapted to provide a decorative solution, reflecting the atmosphere of the interior of an Amazonian Indian dwelling”( Apontamento do Serviço de Belas Artes, 17th June 1966, SBA 15357).

The layout of the exhibition was conceived by Sommer Ribeiro and Fernando de Azevedo, and consisted of wooden cabinets “distributed throughout the room, sometimes glass fronted, others open, depending on the requirements of the pieces exhibited”. The ceiling was covered with a rushmat material to create “the necessary darkness for the spotlights above each piece to better define their shapes and colours.” (ibid.).

A total number of 367 objects were presented, collected in Brazil by Victor and Françoise Bandeira and made with a variety of materials and techniques, “to provide an ethnographic and archaeological panorama of the essential aspects of the life and art of the Brazilian Indian,  now and in the past” (Comunicado de imprensa, 18th Oct. 1966, Gulbenkian Foundation, SBA 15357).

Besides the items exhibited, there were also photomontages, from photos collected by Victor Bandeira, “which amply documented the lifestyle and local character of the Brazilian Indian, explaining the use of the items exhibited.” (Apontamento do Serviço de Belas Artes, 17th  June 1966). Also of note is the fact that, besides the ethnographic aspect, the objective of the organisers was to draw attention to the wider significance of the objects shown, “which transcends the scientific and aesthetic value of the collection to which they belong” (Arte do Índio Brasileiro, 1966).

The short duration of the exhibition and its popularity with the visiting public prompted the FCG to extend the opening times in the final days, “not only from 14:00 to 20:00 but also, as an exception, from 21:00 to 23:30” (Comunicado de imprensa, 27th Oct. 1966, SBA 15357).


Ficha Técnica


Eventos Paralelos

Ciclo de conferências

Religiões Indígenas do Brasil

nov 1966 – dez 1966
Fundação Calouste Gulbenkian
Lisboa, Portugal

Publicações


Material Gráfico


Fotografias


Multimédia


Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 15357

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém despachos, correspondência, comunicados de imprensa, informação de despesas e catálogo. 1966 – 1967

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 25140

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém catálogo, convite da exposição e programação das conferências. 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Belas-Artes), Lisboa / SBA 25444

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém catálogo e convites. 1966

Biblioteca de Arte Gulbenkian, Lisboa / CFT003.80562 a CFT003.80567; CFT003.9156 CFT003.9199; CFT003.9400 a CFT003.9401

Coleção fotográfica, p.b., cor: objetos (Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa) 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Comunicação), Lisboa / COM-S001/019-D01826

Coleção fotográfica, p.b.: montagem (Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa) 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Projectos e Obras), Lisboa / I04-026 a I04-028; I04-030

Álbum com coleção fotográfica: p.b. (Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa) 1966

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0331-D01008

25 provas, p.b.: aspetos (Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa) 1966


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.