Júlio Pomar. Pintura, Escultura, Desenho, Gravura

Exposição dedicada ao artista plástico português Júlio Pomar (1926-2018), mostrando cerca de 200 obras, no âmbito de uma série dedicada a artistas da «terceira geração» do Modernismo português. Inaugurada na Fundação Calouste Gulbenkian, a mostra contou com peças de pintura, desenho, escultura e gravura.
Exhibition dedicated to the Portuguese visual artist Júlio Pomar (1926) with roughly 200 pieces, as part of a series dedicated to “third-generation” artists of Portuguese modernism. Inaugurated at the Calouste Gulbenkian Foundation, the exhibition featured pieces of painting, drawing, sculpture and engraving.

Exposição dedicada ao artista Júlio Pomar (1926-2018), constituiu a primeira exposição de uma série congénere dedicada a artistas da «terceira geração» do modernismo português. Foi inaugurada na Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), tendo contado com cerca de 200 obras de pintura, desenho, escultura e gravura.

Segundo José Sommer Ribeiro, diretor do Serviço de Exposições e Museografia da FCG, a pertinência desta série de exposições de artistas portugueses do pós-guerra relacionava-se com o facto de, nas décadas anteriores, o Secretariado Nacional de Informação (SNI) já ter realizado numerosas exposições retrospetivas, tanto dos artistas modernistas, como dos então denominados artistas da «segunda geração».

Neste sentido, no ano de 1978 chegara o momento de o público português contactar diretamente com os artistas da «terceira geração», avançando a Fundação Calouste Gulbenkian com a conceção destas novas exposições de artistas portugueses com obras datadas de 1945 em diante, nas quais era proposta uma análise dos seus períodos criativos mais significativos.

No âmbito da planificação e organização das exposições, a FCG considerou importante iniciar este ciclo com uma mostra dedicada ao artista Júlio Pomar, autor de uma obra multifacetada e abrangente, que cobre as disciplinas de pintura, escultura, desenho, ilustração e tapeçaria, com incursões recorrentes no âmbito de projetos decorativos para arquitetura e cenografia, e inclusive na escrita, da crítica à poesia.

Por carta, José Sommer Ribeiro justificava assim a escolha do pintor Júlio Pomar para início deste ciclo de exposições: «A nossa escolha recaiu sobre Júlio Pomar, artista que desempenhou um papel muito importante a partir da data acima referida [1945], quer como figura principal do neo-realismo português, quer como um dos fundadores da Cooperativa “Gravura”, e que ao longo destes 30 anos se dedicou apenas à pintura e ilustração de livros, nunca recorrendo, ainda que com grandes sacrifícios, a segundos empregos. […] A obra de Júlio Pomar presta-se muitíssimo para a apresentação de períodos definidos, como são os chamados neo-realista, ciclo dos retratos, tauromaquias, etc.» (Apontamento do Serviço de Exposições e Museografia, abr. 1979, Arquivos Gulbenkian, SEM 00127)

O projeto da exposição contou com a orientação do próprio Júlio Pomar, na escolha das obras, e com a colaboração do colecionador de arte Manuel de Brito. Em Lisboa, a exposição obteve um enorme êxito junto do público e da crítica, tendo o número de visitantes ultrapassado largamente o previsto, o que consequentemente levou a uma segunda edição do catálogo.

A Fundação Calouste Gulbenkian organizou esta mesma exposição na cidade do Porto, no Museu Nacional de Soares dos Reis, em outubro do mesmo ano. Ainda no ano de 1978, e finda a sua itinerância por Portugal, o Centre Culturel et de Congrès de Woluwe-Saint-Pierre (Bruxelas, Bélgica) propôs levar a exposição a Bruxelas, o que imediatamente interessou à FCG, uma vez que tal iniciativa cumpria um dos seus objetivos, isto é, o da divulgação no estrangeiro, tanto deste artista como da arte portuguesa em geral. Assim, procedeu-se a nova seleção de obras do pintor, a qual, de novembro de 1978 a janeiro de 1979, esteve patente naquela cidade, voltando a registar-se significativa adesão por parte do público: «Não apenas pelo elevado número de visitantes, como pelas repercussões que teve nos meios artísticos e junto ao público em geral, de que a imprensa e a Rádio Televisão fizeram eco, o acontecimento teve assinalado êxito e constitui uma excelente manifestação da cultura portuguesa.» (Carta do embaixador português em Bruxelas para a FCG, jan. 1979, Arquivos Gulbenkian, SEM 00127)

Joana Brito, 2017

An exhibition dedicated to the artist Júlio Pomar (Lisbon, 1926) opened at the Calouste Gulbenkian Foundation (FCG) that was part of the first exhibition of a series dedicated to third-generation artists of Portuguese modernism.
According to José Sommer Ribeiro (1924-2006), head of the FCG Exhibitions and Museography Department, the series of exhibitions on post-war Portuguese artists was relevant because, in previous decades, the Secretariado Nacional de Informação (SNI) had already held numerous retrospective exhibitions of modernist artists and the so-called second-generation artists.
In 1978, then, the moment for the Portuguese public to become directly acquainted with the third-generation artists arrived. The Calouste Gulbenkian Foundation designed these new exhibitions of Portuguese artists with works dating from 1945 onwards, suggesting an analysis of the most significant creative periods.
As part of the planning and organisation of the exhibitions, the Calouste Gulbenkian Foundation thought it important to start the initiatives with an exhibition dedicated to the artist Júlio Pomar, displaying roughly 200 paintings, drawings, sculptures and prints.
Júlio Pomar belongs to the third generation of Portuguese modernist artists and his work is multifaceted, focusing on painting, sculpture, drawing, illustration and tapestry, while also regularly working on decorative projects for architecture and set design, as well as writing texts from criticism to poetry.
In a letter, José Sommer Ribeiro justified the decision to present the painter Júlio Pomar's work to begin the series of exhibitions: We chose Júlio Pomar, an artist who has played a very important role since the above-mentioned date [1945] - as both a major figure in Portuguese neorealism and as one of the founding members of the Gravura cooperative - and who over the last 30 years has devoted himself only to painting and book illustration, never turning to second jobs, with great sacrifice (Note by the Exhibitions and Museography Department, Apr. 1979, Gulbenkian Archives, SEM 000127).
And further: Júlio Pomar's work is highly suitable for presenting in set periods, such as the neorealist period, the portrait series, bullfights, etc... (ibid.).
The exhibition project was guided by Júlio Pomar himself for the choice of works and was aided by art collector Manuel de Brito (1928-2005).
The exhibition was hugely successful with the specialist audience and general public in Lisbon, and the number of visitors largely surpassed those forecast, leading to a need for a second edition of the catalogue.
The Calouste Gulbenkian Foundation organised the same exhibition in Porto, at the Museu Nacional de Soares dos Reis, in October of the same year.
Still in 1978, after its journey around Portugal, the Maison de la Culture et Centre des Congrès de Saint-Pierre (Brussels, Belgium) suggested to the Calouste Gulbenkian Foundation that the event should go to the city, which was of immediate interest to the FCG, since it met the Museum's objectives to achieve dissemination abroad for both this particular artist and Portuguese art in general.
A new, reduced selection of the painter's works was made and exhibited between November 1978 and January 1979 in Brussels, where they were again warmly received by visitors: The event was a notable success and is an excellent display of Portuguese culture, not only in the high visitor numbers but also in the repercussions it has had on the art scene and general public, reflected by the press, radio and television broadcasters (Letter from the Portuguese ambassador in Brussels to the FCG, Jan. 1979, Gulbenkian Archives, SEM 000127).

Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

Campinos

Júlio Pomar (1926-2018)

Campinos, 1963 / Inv. 67P289

Cena na Praia

Júlio Pomar (1926-2018)

Cena na Praia, 1959-1960 / Inv. 62P259

Entrada de Touros

Júlio Pomar (1926-2018)

Entrada de Touros, 1963 / Inv. 63P356


Publicações


Material Gráfico


Fotografias


Documentação


Imprensa


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM 00127

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência variada, orçamentos, convite, maquete do catálogo, pedidos de empréstimos de obras aos colecionadores particulares, seguro das obras e recortes de imprensa. 1978 – 1979

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0069-D00235

2 provas, cor: aspetos (FCG, Lisboa) 1978

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0069-D00236

31 provas, p.b.: aspetos (FCG, Lisboa) 1978

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0069-D00237

5 provas, p.b.: inauguração (FCG, Lisboa) 1978

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM-S007-P0069-D00238

8 provas, p.b.: aspetos (Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto) 1978


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.