Os Domínios do Olhar

Projeto «Gulbenkian Itinerante. Percursos pelas Coleções do Museu Gulbenkian»

Exposição integrada no programa «Gulbenkian Itinerante», um projeto da responsabilidade do Museu Calouste Gulbenkian (Coleção do Fundador e Coleção Moderna) e com coordenação de Nuno Vassallo e Silva, baseado numa rede de parcerias com instituições sediadas em diversas cidades portuguesas.
An exhibition held in the context of the “Gulbenkian Itinerante” (Gulbenkian on Tour) project led by the Calouste Gulbenkian Museum (Founder’s Collection and Modern Collection) and coordinated by Nuno Vassallo e Silva, based on a network of partnerships with institutions in various cities throughout Portugal.

Em 2018, arrancou o programa «Gulbenkian Itinerante. Percursos pelas Coleções do Museu Gulbenkian», através do qual «obras da Coleção do Fundador e da Coleção Moderna são apresentadas em conjunto em diversos espaços culturais do país, com vista a um maior usufruto dos públicos do património artístico da Fundação Calouste Gulbenkian» (Relatório e Contas FCG. 2018, 2019, p. 87). Um projeto da responsabilidade do Museu Calouste Gulbenkian (MCG), com a coordenação de Nuno Vassallo e Silva, curador do MCG e coordenador da equipa de gestão da coleção do MCG, e com curadoria externa, da escolha das instituições parceiras na organização da mostra. Desta parceria resultaram cinco exposições, com diferentes propostas expositivas, intituladas: «Corpo e Paisagem» (2018-1019), «Lugares, Paisagens, Viagens» (2018), «Mares sem Tempo» (2019), «Pontos de Encontro» (2019) e «Os Domínios do Olhar» (2020). Penelope Curtis, então diretora do Museu Calouste Gulbenkian, referia, numa entrevista aquando da inauguração da exposição em Bragança, que a equipa do MCG convidou «os curadores para verem as reservas das duas coleções e selecionar as obras que entenderam. Foi quase uma escolha livre. A novidade foi abrir a Coleção do Fundador. Queremos fazer um trabalho em que se cruzam as duas coleções. A coleção de Calouste Gulbenkian é muito rara, porque tem peças da Síria e da Pérsia, dos séculos XVI e XVII» (Lopes, Mensageiro de Bragança, 6 dez. 2018).

Desenvolvia-se, assim, um projeto de exposições itinerantes firmado numa rede de parcerias com instituições portuguesas distribuídas pelo território nacional, privilegiando as regiões mais distantes dos principais centros, para combater as assimetrias culturais do país. Estas exposições, desenvolvidas em torno do eixo temático «Atravessar culturas através dos tempos» e programadas entre 2018 e 2020, pretenderam, articulando as obras da coleção da FCG com o património cultural das diferentes cidades de acolhimento, promover novas leituras sobre as coleções da Fundação Calouste Gulbenkian, então identificadas como Coleção do Fundador, «as obras reunidas por Calouste Sarkis Gulbenkian», e Coleção Moderna, «o conjunto resultante das aquisições, legados e doações reunido após 1956» (Gulbenkian Itinerante. Percursos pelas Coleções do Museu Gulbenkian, 2018, p. 1).

Nas palavras do responsável pelo projeto, Nuno Vassallo e Silva, numa entrevista concedida ao Jornal i: «“A grande preocupação é a partilha e promoção cultural. [O projeto] visa estabelecer um conjunto de parcerias com instituições nacionais afastadas dos grandes centros, embora dotadas de equipamentos de exceção”. E explica que esta foi “uma parceria construída em comum”, privilegiando “o olhar dos nossos parceiros”. Aos curadores de cada um dos equipamentos foi dada liberdade para olhar “o património da Fundação” e montar as exposições “de acordo com as necessidades locais”.» (Pinheiro, Jornal i, 6 dez. 2018)

A exposição «Os Domínios do Olhar. Percursos pelas Coleções do Museu Gulbenkian», com curadoria de João Mendes Rosa, à data diretor do Museu da Guarda, marcou a segunda edição deste programa expositivo do Museu Calouste Gulbenkian e esteve patente no Museu da Guarda entre 27 de fevereiro e 30 de agosto de 2020. A duração da mostra foi prolongada por mais três meses – o encerramento estava inicialmente previsto para o final do mês de maio, uma vez que por razões associadas à pandemia o museu foi obrigado a fechar ao público entre os meses de março e maio daquele ano (Beira.pt, 19 mai. 2020).

Nesta nova edição do «Gulbenkian Itinerante», estavam ainda programadas exposições no Centro de Arte e Cultura de Ponte de Sor, no Centro de Arte Contemporânea Graça Morais e no Centro de Arte de Sines (as duas últimas instituições já tinham colaborado na primeira edição deste programa expositivo, respetivamente em 2018 e 2019).

A mostra reuniu um total de 31 obras (12 do acervo da Coleção do Fundador; 19 da Coleção Moderna) e, segundo o curador, procurou proporcionar um diálogo entre as peças da Fundação Calouste Gulbenkian e as do Museu da Guarda, integrando pintura, escultura, desenho e artes decorativas, de datação e geografias distintas. Ocupou todas as salas do museu egitaniense, partilhando o espaço com uma seleção de obras de relevância histórica e artística provenientes do acervo do Museu da Guarda. Num percurso com obras maioritariamente de pintura e escultura ocidental, a exposição terminava com um núcleo de arte oriental, com a apresentação de duas estampas japonesas e uma folha de um álbum com miniatura, de origem persa, provenientes da coleção particular de Calouste Gulbenkian. A este propósito, Nuno Vassallo e Silva revelava que esta era a primeira mostra do programa «Gulbenkian Itinerante» que incluía «obras da coleção privada de Calouste Gulbenkian, sendo a primeira vez que são mostradas em Portugal fora da Fundação» («Tesouros da Gulbenkian para ver no Museu da Guarda», O Interior, 8 mar. 2020).

No cartaz de divulgação da exposição foram selecionadas duas obras representativas da arte portuguesa contemporânea: a Maternidade, 1935 (Inv. 83P60), de José de Almada Negreiros (1893-1970), e uma outra, Título desconhecido (Castelo), c. 1911-1912 (Inv. 77P154), de Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), peças que faziam parte de uma seleção mais alargada de artistas, entre os quais se destacam Robert Delaunay (1885-1941), Sonia Delaunay (1885-1979), Helena Almeida (1934-2018), Nadir Afonso (1920-2013), Pedro Calapez (1953), João Queiroz (1957), Rui Sanches (1954) ou Alberto Carneiro (1937-2017), representando a coleção moderna da FCG, e Charles Chaplin (1825-1891), Jean-Charles Cazin (1840-1901), Jean-Baptiste-Camille Corot (1796-1875) ou Kitagawa Tsukimaro (1794-1836), com obras do acervo adquirido por Calouste Sarkis Gulbenkian (1869-1955). A estes pintores, juntavam-se outros nomes representados na coleção do Museu, entre os quais Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), José Ferreira Chaves (1838-1899), Carlos Reis (1863-1940) ou Eduarda Lapa (1895-1976), entre outros.

A exposição teve uma atenção moderada por parte da comunicação social, que lhe dedicou notícias com o propósito de divulgação do projeto curatorial ou de promoção do programa de descentralização promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, em parceria com museus regionais. De entre os artigos em periódicos (imprensa e digital), e tendo sido identificadas 27 referências no dossiê de imprensa desta exposição (Dossiê de imprensa, 2020, Arquivos Gulbenkian, ID: 412638), destacam-se artigos nos jornais de grande tiragem, como o Jornal de Notícias (27 fev. 2020) e o Correio da Manhã (2 mar. 2020), nas revistas Sábado (28 fev. 2020) e Canela e Hortelã (3 mar. 2020), no jornal As Artes entre as Letras (11 mar. 2020), e em websites de grande divulgação, como o do Centro Nacional de Cultura (27 fev. 2020) ou a plataforma Porto dos Museus (2 mar. 2020). Na imprensa regional online, onde se concentra o maior número de referências, destacamos os artigos nos jornais Beira.pt (21 fev. e 1 mar. 2020), O Interior (27 fev., 5 e 8 mar. 2020), A Guarda (27, 28 fev. e 6 mar. 2020), Fórum Covilhã (27 fev. e 1 mar. 2020), Terras da Beira (5 mar. 2020) e Jornal do Fundão (5 mar. 2020).

A mostra teve também cobertura televisiva e radiofónica, tendo sido noticiada na RTP e na Antena 1, com notícias e reportagens incluídas na programação diária e no magazine noticioso Portugal em Direto, da RTP1.

Isabel Falcão, 2022


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Coleção Gulbenkian

Percursos na Paisagem (memória do corpo sobre a terra)

Alberto Carneiro (1937-2017)

Percursos na Paisagem (memória do corpo sobre a terra), 1982/83 / Inv. 85E840

Étude A [Gemälde A / Quadro A]

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

Étude A [Gemälde A / Quadro A], Inv. 13P1753

Título desconhecido  (Castelo)

Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918)

Título desconhecido (Castelo), Inv. 77P154

Paisagem à beira de um Pântano

Camille Flers (1802-1868)

Paisagem à beira de um Pântano, 1852 / Inv. 446

A Estrela

Charles Chaplin (1825-1891)

A Estrela, 2ª metade do séc. XIX / Inv. 441

Retrato de uma Jovem

Charles Chaplin (1825-1891)

Retrato de uma Jovem, 2ª metade do séc. XIX / Inv. 55

Néctar

Eduardo Batarda (1943- )

Néctar, 1984/85 / Inv. 86P698

A Pastagem

Emile van Marcke de Lummen (1827-1890)

A Pastagem, c. 1870 / Inv. 2292

s/título

Helena Almeida (1934-2018)

s/título, Inv. 71P410

HOKUSAI, Katsushika

Inv. 1995

Imad al-Hasani

Inv. M9

O Caminho da Quinta - Luzancy

Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875)

O Caminho da Quinta - Luzancy, c. 1865-70 / Inv. 352

A Estrada perto da Aldeia

Jean-Charles Cazin (1841-1901)

A Estrada perto da Aldeia, c. 1888 / Inv. 357

Na Estrada

Jean-Charles Cazin (1841-1901)

Na Estrada, c. 1885 / Inv. 276

Paisagem

Jean-Charles Cazin (1841-1901)

Paisagem, Último quartel do séc. XIX / Inv. 356

S/ Título

João Queiroz (1957-)

S/ Título, 2005/06 / Inv. 06P1385

S/ Título

João Queiroz (1957-)

S/ Título, 2005/06 / Inv. 06P1387

S/ Título

João Queiroz (1957-)

S/ Título, 2005/06 / Inv. 06P1388

S/ Título

João Queiroz (1957-)

S/ Título, 2005/06 / Inv. 06P1386

[Banhistas] (Pintura para o café "A Brasileira" do Chiado, Lisboa)

José de Almada Negreiros (1893-1970)

[Banhistas] (Pintura para o café "A Brasileira" do Chiado, Lisboa), Inv. 83P58

A Barcaça

Jules-Jacques Veyrassat (1828-1893)

A Barcaça, c. 1850-1855 / Inv. 346

Pintura Nº 2

Júlio Resende (1917-2011)

Pintura Nº 2, 1959 / Inv. 83P931

Perspectiva II

Nadir Afonso (1920-2013)

Perspectiva II, 1965 / Inv. 70P496

Sem título

Pedro Calapez (1953-)

Sem título, 1987 / Inv. 87P780

Nord, Est, Sud, Ouest

Robert Delaunay (1885-1941)

Nord, Est, Sud, Ouest, Inv. GE31

A Manhã VII

Rui Chafes (1966-)

A Manhã VII, Inv. 93E304

Durante o Sono

Rui Chafes (1966-)

Durante o Sono, Inv. 02E1226

Sem título (B.B.4)

Rui Sanches (1954-)

Sem título (B.B.4), 1991 / Inv. 92E214

Projet Voyages Lointains

Sonia Delaunay (1885-1979)

Projet Voyages Lointains, 1936 / Inv. DE53

TSUKIMARO, Kitagawa

Inv. 1984A/B/C

Maternidade

José de Almada Negreiros (1893-1970)

Maternidade, Inv. 83P60


Publicações


Multimédia


Documentação


Periódicos


Páginas Web


Fontes Arquivísticas

Arquivo Digital Gulbenkian, Lisboa

Conjunto de documentos referentes à exposição. Contém pressbook e comunicado de imprensa. 2020


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.