Planta da cidade de Lisboa – espaços que apresentavam condições de área para instalar a Fundação

 

Primeira abordagem sobre as possíveis localizações para a implantação da Sede e Museu da Fundação Calouste Gulbenkian desenhadas por Keil do Amaral e submetidas à Comissão Delegada.

Os espaços em avaliação são:

– um terreno vago no Campo Grande;

– um espaço que a transferência do antigo Matadouro de Lisboa libertará;

– um talhão próximo do Hotel Aviz;

– um terreno do Quartel Artilharia Um, no Parque Eduardo VII;

– o Parque Vilalva.

Não se sabe se este último foi uma indicação de Guimarães Lobato mas, sabemos que a 1 de setembro, Adolfo Bravo, advogado de Vasco Villalva, tinha enviado um cartão, a Azeredo Perdigão, apresentando o Parque de Santa Gertrudes como possibilidade de compra. Um documento de 13 de janeiro de 1957, assinado por Guimarães Lobato, intitulado Memorandum sobre a Localização das Instalações da Sede e Museu da Fundação Calouste Gulbenkian reduz o número de hipóteses, anteriormente apresentadas, para três. 

 

  • Data de produção: 1956
  • Projetistas (autores principais): FCG - Serviço de Projectos e Obras
  • Fase do projeto: A preparação do parque e as instalações provisórias
  • Identificador: PT FCG FCG:SPO-S015/01-DES01150

Para consultar a versão original deste documento deverá contactar os Arquivos Gulbenkian através do endereço eletrónico arquivos@gulbenkian.pt e referenciar o identificador