Brahms: Sinfonia n.º 3

Orquestra Gulbenkian / Lorenzo Viotti

No concerto comemorativo do seu 60.º aniversário, a Orquestra Gulbenkian interpreta a Sinfonia n.º 3 de Johannes Brahms, sob a direção de Lorenzo Viotti.
Luís M. Santos 16 out 2022 36 min

O temperamento intensamente autocrítico de Brahms manifestava-se em particular na sua relação com a música orquestral e de câmara, domínios em que durante muito tempo viveu intimidado pela sombra de Beethoven, o paradigma que ansiava emular. As suas pretensões sinfónicas parecem ter sido estimuladas (e inibidas) ainda mais em 1853, com o artigo encomiástico em que Schumann o apresentava como o real sucessor de Beethoven. De facto, vários anos passariam até que o compositor sentisse realmente confiança para abordar o género sinfónico. A Sinfonia n.º 3, em Fá maior, op. 90, foi escrita no espaço de quatro meses, no verão de 1883, durante uma estadia em Wiesbaden, num estúdio com vista para o Reno. A estreia teria lugar a 2 de dezembro de 1883, com a Orquestra Filarmónica de Viena, sob a direção de Hans Richter. Trabalhada com mestria, esta é uma obra representativa da sua maturidade, sendo caracterizada pela estrutura compacta e sofisticada, em termos temáticos e tonais.

O primeiro andamento, Allegro con brio, concebido em forma sonata, abre com um arrojado gesto cromático que inclui um motivo de três notas que reaparecerá sob várias feições. O primeiro tema cita uma ideia apaixonada da Sinfonia n.º 3, Renana, de Schumann, dando lugar a uma atmosfera reflexiva e nostálgica. Num denso desenvolvimento, este segundo tema é reinterpretado com um caráter trágico, enquanto o primeiro surge agora entre o lírico e o monumental. Segue-se um Andante, em Dó maior, numa forma sonata modificada, marcado pelas suas melodias de cariz folclórico, bem como por um recorrente jogo de pergunta e resposta entre sopros e cordas. O terceiro andamento, Poco allegretto, em Dó menor, está estruturado numa forma ternária. A melodia melancólica apresentada inicialmente pelos violoncelos retornará mais tarde, após o jogo rítmico de uma secção contrastante, em Lá bemol maior. Por fim, o quarto andamento, Allegro, novamente numa forma sonata modificada, inicia-se vigorosamente em Fá menor, apresentando um primeiro tema mais ansioso e um segundo tema aparentemente mais despreocupado, até que a turbulência encontra resolução numa coda que retoma Fá maior, ecoando uma última vez a ideia melódica de Schumann.


Intérpretes


Programa

Johannes Brahms

Sinfonia n.º 3, em Fá maior, op. 90

  1. Allegro con brio
  2. Andante
  3. Poco allegretto
  4. Allegro

Definição de Cookies

Definição de Cookies

Este website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. Podendo também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.