• França, c. 1863
  • Óleo sobre tela
  • Inv. 2307
  • Pintura

Auto-retrato ou “Degas Saluant”

Edgar Degas

No decurso das décadas de 1850 e 1860 Edgar Degas realizou quinze auto-retratos existindo apenas duas obras, uma das quais esta pintura, onde o autor surge retratado a meio corpo. A outra tela desse formato, o primeiro trabalho importante realizado pelo pintor, conhecido por Degas au porte-fusain (Museu d’Orsay, Paris), foi executada em 1855 e inspira-se em Retrato do artista (Musée Condé, Chantilly), de Jean-Auguste-Dominique Ingres, de 1804. Uma fotografia tirada ao pintor (Bibliothèque National, Paris) na primeira metade da década de 1860, confirma a contemporaneidade da tela, uma vez que Degas aparenta em ambas as situações cerca de trinta anos de idade.

Do ponto de vista formal constatam-se duas referências significativas a assinalar: enquanto o par de luvas sugere um tributo evidente a Ticiano, o segundo plano da composição, com o espaço interior delimitado por linhas verticais e abertura para paisagem em fundo, evoca a tradição renascentista do retrato. Nesta representação de fatura inacabada, onde é bem visível a correção do desenho da cartola, o pintor, esboçando um gesto de saudação, coloca-se no papel de objeto de visão, surgindo como a personificação de um homem do seu tempo, cosmopolita e flaneur.

Jeanne Fèvre, sobrinha do artista, Nice. Adquirido por Calouste Gulbenkian por intermédio de André Weil, Paris, em 28 de outubro de 1937.

92,1 x 69 cm

Lemoisne 1946
Lemoisne, P. A., Degas et son œuvre, Paris, 1946, Vol. II, pp.  52-53, nº 105

Paris 1988
Degas (cat. exp.), Galeries nationales du Grand Palais, Paris, 1988, pp.104-105, nº 44

Sampaio 2009
Sampaio, Luísa, Pintura no Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2009, n.º 99, pp. 220-221