Arte África: mostra bibliográfica

Associando-se à exposição “Europa Oxalá”, a Biblioteca de Arte apresenta uma seleção de publicações – livros, catálogos de exposições e revistas – dedicadas à história, à crítica e à teoria da arte de artistas nascidos em África, da diáspora africana e dos que nasceram e vivem em países europeus com memórias do passado colonial.

 

A exposição Contemporary African Art, realizada no verão de 1969, em Londres no Camden Arts Centre, foi, no período do pós-guerra, das primeiras exposições internacionais dedicadas a artistas africanos contemporâneos.  Foi, todavia, a partir da provocatória exposição Magiciens de la terre, realizada em 1989 em Paris, no Centre Pompidou, que o interesse por artistas contemporâneos nascidos em África, da diáspora africana e, mais recentemente, pelos que nasceram e vivem em países europeus com passado colonial, aumentou.

De facto, desde o final dos anos de 1990 que as exposições dedicadas às suas experiências artísticas modernistas e pós-modernistas se têm sucedido, tanto em instituições europeias, como norte-americanas, e da lista, que já vai sendo longa, podem destacar-se Africa explores: 20th century African Art exposição realizada no The Center for African Art de Nova Iorque em 1991, In-sight: African photographers, 1940 to the present apresentada no Museu Guggenheim de Nova Iorque em 1996,  Africa Remix: Contemporary Art of a Continent, exposição coorganizada pela londrina Hayward Gallery, pelo Centre Georges Pompidou e pelo Museum Kunstpalast de Dusseldorf, a exposição Looking Both Ways: Art of the Contemporary African Diaspora, inaugurada no Museum of African Art de Nova Iorque em 2004, e apresentada em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian, no ano seguinte com o título Das Esquinas do Olhar: Arte da Diáspora Africana Contemporânea, até à recente Reflections: Contemporary Art of the Middle East and North Africa, que o British Museum apresentou em 2020.

Paralelamente, o número de publicações parciais e/ou totais dedicadas à história, à crítica e à teoria da arte africana contemporânea conheceu igualmente um significativo crescimento.  Vários exemplos podem ser citados, começando pelo livro Contemporary Art in Africa, de Ulli Beier, publicado em Londres em 1968, a Revue Noir fundada por Simon Njami e Jean-Loup Pivin, em 1991, a antologia Reading the Contemporary: African Art from theory to the marketplace (1999) editada por Olu Oguibe e Okwui Enwezor, onde a arte contemporânea africana é colocada numa perspectiva global e no contexto do mercado artístico internacional, An Anthology of African Art: The Twentieth Century (2001-2002), editado por Jean-Loup Pivin e N'Goné Fall, Next flag: the African Sniper Reader, editado pelo artista angolano Fernando Alvim (2005), Contemporary African Art since 1980, da autoria de Okwui Enwezor e Chika Okeke-Agulu (2009), Geo-Graphics: A Map of Art Practices in Africa, Past and Present, de David Adjaye (2010) e os recentes Africa state of mind: Contemporary Photography reimagines a Continent (2020) e Condition report: On Art History in Africa (2020).

Em relação a artistas de países africanos de língua oficial portuguesa, da sua diáspora e dos nasceram e vivem em países europeus com passado colonial, pode referir-se a exposição Réplica e Rebeldia (2006), apresentada no Museu Nacional de Arte de Maputo, a exposição Present tense (2013), na Fundação Calouste Gulbenkian, algumas exposições recentes realizadas pelo HANGAR – Centro de Investigação Artística, assim como algumas edições do Prémios BES/Novo Banco PHOTO e exposições realizadas nos últimos anos pela Fundação EDP. Quanto às publicações, referiam-se Atlantica: Contemporary Art from Angola and its diaspora (2018), Atlantica: Contemporary Art from Mozambique and its Diaspora (2020) e Atlantica: Contemporary Art from Cabo Verde, Guinea Bissau, São Tomé and Príncipe and their Diasporas (2021), “concebidos e desenvolvido por artistas em conjunto com teóricos, curadores e estudiosos, tendo em conta a produção artística do novo milénio”.

 

1960-2002

 

 

2003-2008

 

 

2009-2012

 

 

2013-2020

 

 

 

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.