Planta do Parque de Santa Gertrudes com a parcela adquirida pela Fundação Calouste Gulbenkian

Aquisição

 (…) A 30 de abril de 1957 Vasco Vill’Alva vende 69 283 m2 do Parque de Santa Gertrudes à Fundação Calouste Gulbenkian que havia sido instituída pelo decreto-lei nº4690, de 18 (…)

A escritura assinada entre Vasco Maria Eugénio de Almeida e os representantes da Fundação Calouste Gulbenkian, em 1957 , refere a venda de seis sétimas partes da área total do Parque de Santa Gertrudes.

O que permanecia no domínio da família Eugénio de Almeida continuaria a chamar-se Parque de Santa Gertrudes ou Casa de Santa Gertrudes. A parcela destacada, a partir daquela escritura, que era propriedade da Fundação Calouste Gulbenkian ficaria a chamar-se, Parque de Palhavã, até 1965 . Este é delimitado, a norte, pela avenida de Berna, a sul pelo muro que o separa do prédio de que foi destacado, construído no alinhamento, pelo lado sul da Avenida Miguel Bombarda. A nascente e a poente confronta, respetivamente, com a Avenida Marquês Sá da Bandeira e a antiga Estrada de Benfica.

O terreno adquirido pela Fundação Calouste Gulbenkiam, como refere a escritura, destina-se: (…) b) à construção dos edifícios necessários, agora e no futuro, quer à instalação dos serviços da dita Fundação, quer à realização dos seus fins estatutários, e a parte sobrante a parque (…) c)(…) não só para seu uso próprio, mas também para uso público, nas condições, quanto a este, que vierem a ser estabelecidas pela Câmara Municipal de Lisboa, segundo os regulamentos gerais do parques e jardins municipais vedados d)Que, para o efeito do disposto nas alíneas anteriores, e sem prejuízo do que nelas estipula, logo após a construção do palácio, museu e biblioteca que, em primeiro lugar, a “Fundação” se propõe construir no local, a “Fundação” construirá, na parte sobrante, de sua conta, o mencionado parque. e) que a conservação do parque e a sua polícia, depois de o mesmo ser  aberto  ao uso público, caberão à Câmara Municipal de Lisboa (…).

Estavam pois, lançadas as diretrizes para a parcela adquirida; uma parte seria ocupada com a construção do edifício Sede e Museu da Fundação e a restante área seria um parque que, embora sendo do domínio privado, se franqueava ao público.

  • Data de produção: 1957
  • Projetistas (autores principais): FCG - Serviço de Projectos e Obras
  • Fase do projeto: Do concurso ao anteprojeto
  • Identificador: Arquivos da Fundação Calouste Gulbenkian

Para consultar a versão original deste documento deverá contactar os Arquivos Gulbenkian através do endereço eletrónico [email protected] e referenciar o identificador