José Eduardo Gomes

Maestro

José Eduardo Gomes foi recentemente laureado com o 1º Prémio e o Prémio Beethoven no Concurso de Direção de Orquestra da União Europeia. É maestro titular da Orquestra Clássica da FEUP e professor na Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo do Porto, onde trabalha com as várias orquestras. Foi maestro titular da Orquestra Clássica do Centro (2016 a 2018), maestro associado da Orquestra Clássica do Sul (2018/2019), maestro titular do Coro do Círculo Portuense de Opera (Porto, 2011 a 2017) e maestro principal da Orchestre de Chambre de Carouge, na Suíça (2008 a 2011).

José Eduardo Gomes nasceu em Vila Nova de Famalicão, cidade onde iniciou a sua formação musical e começou a estudar clarinete. Prosseguiu os seus estudos na ARTAVE e na ESMAE, onde se formou na classe de António Saiote, tendo recebido o Prémio Fundação Engenheiro António de Almeida. Estudou direção de orquestra com Laurent Gay na Haute École de Musique de Genève (Suíça) e direção coral com Celso Antunes.

Como clarinetista, José Eduardo Gomes foi laureado em vários concursos, destacando-se o Prémio Jovens Músicos, nas categorias de Clarinete e Música de Câmara e o Concurso Internacional de Clarinete de Montroy, em Valência. Foi de novo laureado no Prémio Jovens Músicos, na categoria de Direção de Orquestra, tendo também recebido o prémio da orquestra. Foi semifinalista no 1º Concorso Citta di Brescia Giancarlo Facchinetti, em Itália.

José Eduardo é membro fundador do Quarteto Vintage e do Serenade Ensemble. Nos últimos anos, tem sido convidado para trabalhar com as principais orquestras portuguesas, atuando nos mais destacados festivais de música em Portugal, incluindo “Dias da Música”, Festival de Sintra, Festival PJM, Festival Cantabile, Festival de Música de Leiria, FIMA, Festival das Artes, “Música no Colégio” e Festival Internacional de Música Religiosa de Guimarães, entre outros. No domínio da ópera, participou em produções de Don Giovanni e Così fan tutte de Mozart, Luisa Miller de Verdi, Lo speziale de J. Haydn, e La Donna di Genio Volubile de Marcos Portugal. Uma parte importante do seu trabalho é dedicada a orquestras de jovens, um pouco por todo o país. Em 2018 foi agraciado com a Medalha de Mérito Cultural atribuída pela Cidade de Vila Nova de Famalicão.