FCG Secção: Jardim

Ginkgo

Ginkgo biloba

Família e descrição
Da família da Ginkgoaceae o ginkgo é uma árvore de folha caduca que pode alcançar os 35 m de altura.
A copa é geralmente irregular, tendencialmente piramidal.
É uma espécie dioica – alguns indivíduos são macho, e outros, fêmea.
As folhas são alternas, simples, em forma de leque e com longo pedúnculo. Por vezes um corte a meio divide as folhas (lóbulos) em duas partes – caraterística que deu origem ao “biloba” do seu nome científico. As nervuras das folhas dispõem-se igualmente em forma de leque. As folhas são verdes, tornando-se de um amarelo dourado intenso no outono, antes da queda.
A floração surge em março-abril. As flores masculinas são amentilhos cónicos, discretos, de cor amarela agrupadas em cachos. Os óvulos femininos aparecem ao mesmo tempo que as folhas. As sementes, que parecem ameixas amarelas amadurecem no outono, nas árvores fêmea. São redondas e pendem de longos pedúnculos individualmente ou em pares. Estas, contendo ácido butírico, possuem um odor bastante desagradável.

 

Origem e habitat
O ginko é uma árvore originária do Sudeste da China, único local do mundo onde ainda existem exemplares em estado selvagem e onde se conhecem exemplares de dimensões extraordinárias. Em Portugal é plantado em jardins, parques e alguns arruamentos. Prefere situações com sol e solos bem regados e bem drenados, ligeiramente ácidos, podendo existir em situações tão diversas como margens de ribeiras ou encostas rochosas. De raízes profundas, costumam ser árvores bastante resistentes ao vento.

 

Utilizações e curiosidades
Esta espécie é das mais antigas na Terra. São conhecidos fosseis de partes de árvores deste género com mais de 100 milhões de anos de idade.
É uma espécie que tem a capacidade de gerar rebentos a partir da base do tronco, conseguindo também produzir raízes aéreas em resposta a perturbações na copa, a partir das quais a planta pode dar origem a novos clones. Estas estratégias justificam a tenacidade desta espécie, da qual são documentados exemplares que resistiram à explosão de Hiroshima.
A cozinha tradicional chinesa usa o interior das sementes de ginko em pratos servidos em ocasiões especiais.
É uma planta muito utilizada pelas suas propriedades medicinais, nomeadamente no melhoramento da função cognitiva e memória.