Choupo-negro

Populus nigra

Família e descrição

Da família da Salicaceae, o choupo-negro é uma árvore de folha caduca que pode alcançar os 30 m de altura. É uma espécie dioica – flores masculinas e femininas nascem em árvores diferentes. 

A sua copa pode ser piramidal, oval ou colunar, de 8 a 15 m de diâmetro, com ramificação abundante. A casca é cinzenta e lisa nos exemplares jovens, fissurada longitudinalmente e mais acastanhada nos exemplares adultos. 

As folhas são triangulares, com 5 a 8 cm de comprimento e 6 a 8 cm de largura, verde brilhante em ambas as superfícies, tornando-se amarelas no outono. 

A floração ocorre antes da formação das folhas entre fevereiro e abril. As flores são pequenas, agrupadas em amentilhos unissexuais pendentes. Os amentilhos masculinos são cinzentos, dos quais sobressaem os estames de cor avermelhada; os femininos são amarelo-esverdeados. 

O fruto é uma cápsula com 7 a 9 mm, elipsoide, com sementes que possuem uma penugem branca, conhecida por lã seminal.  

A sua proveniência não é consensual, sendo apontada a Europa oriental e o Oeste da Ásia como áreas de origem mais prováveis, tendo-se tornado silvestre na maior parte da Europa e Norte de África. Há registos do seu cultivo desde a antiguidade.

 

Origem e habitat

Os choupos são árvores de galerias ripícolas, podendo surgir espontaneamente em locais bem iluminados com solos profundos, húmidos e frescos.

 

Utilizações e curiosidades

É utilizada como ornamental e na proteção dos vales das ribeiras. É uma árvore de crescimento rápido e ciclo de vida curto. Pode ser propagada por estaca, também podendo nascer das raízes.  

A madeira leve, de cor clara é utilizada para o fabrico de pasta de papel, palitos, fósforos, brinquedos e outros objetos de carpintaria ligeira; foi também, no passado, muito utilizada na construção de vagões de comboio. 

As suas propriedades medicinais provêm da casca dos ramos, sendo utilizada em infusões contra a febre, reumático e bronquites.