Hein Semke. Cerâmicas

Exposição retrospetiva da obra de Hein Semke (1899-1995), organizada pelo Museu Nacional do Azulejo, com o apoio do Centro de Arte Moderna. Composta por cerca de uma centena de obras, esta mostra percorria vinte e nove anos da produção de Semke no campo da cerâmica, revelando a sua componente escultórica e diversidade formal e temática.
Retrospective exhibition on the work of Hein Semke (1899-1995) organised by the Museu Nacional do Azulejo, with support from the Modern Art Centre. The show included approximately 100 artworks, spanning 25 years of Semke’s artistic career in ceramics, in a display which revealed the works’ sculptural component and their diversity of form and subject.

Exposição da obra em cerâmica de Hein Semke (1899-1995), organizada pelo Museu Nacional do Azulejo (MNA), com o apoio do Centro de Arte Moderna (CAM).

Por ocasião do 90.º aniversário de Semke, o Centro de Arte Moderna planeou a apresentação de uma exposição de escultura e desenho do artista alemão radicado em Portugal desde 1932. Simultaneamente, o Museu Nacional do Azulejo, com a colaboração de dois bolseiros da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (Maria Manuela d'Oliveira Martins e José Pedro Aboim Borges), procedia ao levantamento e investigação da obra em cerâmica de Semke, com vista à sua divulgação através de uma exposição.

Esta iniciativa surgia, como explica João Castel-Branco Pereira, então diretor do museu, no âmbito de um projeto dedicado à «obra de artistas que, através do azulejo e da cerâmica, têm vindo a construir as linguagens modernas do século XX em Portugal» (Hein Semke. Cerâmicas, 1991, p. 5).

A considerável obra de Semke no campo da cerâmica, ainda pouco conhecida, e as dificuldades que surgiram na marcação de espaços e datas para a exposição no CAM levaram José Sommer Ribeiro a optar por apoiar este projeto do MNA, mais precisamente a execução do catálogo. Este contava com um texto da autoria de José-Augusto França, no qual é mencionada a grande exposição que a Fundação Calouste Gulbenkian dedicou ao artista em 1972, a qual abrangera a sua obra escultória, pictórica e de cerâmica. França via nesta nova mostra uma oportunidade de descobrir e aprofundar outros aspetos deste vasto corpo de trabalho. Para tal, contribuiria a cuidada investigação efetuada, cujas conclusões foram apresentadas por Maria d'Oliveira Martins e José Pedro Aboim Borges no texto Hein Semke: Cerâmicas (Hein Semke. Cerâmicas, 1991, pp. 9-18).

Esta exposição partia da constatação de que «na cerâmica de Hein Semke, enquanto exercício de tridimensionalidade a que se juntam valores de matéria e cor, transparecem as suas procuras artísticas iniciadas como escultor e, em tempos mais recentes, como pintor (Ibid., p. 5). Deste modo, a centena de peças selecionadas revelava a vertente escultórica de grande parte da sua obra em cerâmica, a sua diversidade formal e temática, e diferentes fases do processo de trabalho, através da apresentação de desenhos e estudos.

A julgar pelo catálogo, as obras terão sido, muito possivelmente, agrupadas tematicamente: representação do rosto humano (através das máscaras, retratos e bustos), mitologias (medalhões com sereias, placas com demónios-peixe e pássaro), astrologia (placas com o signos do zodíaco), iconografia cristã (sagrada família, crucifixos, peixes e pratos com passagens da vida de Cristo gravadas), séries de placas como Vista Aérea da Cidade e Figuras em Acção, objetos utilitários (peças de serviço de jantar, jarras, pratos, travessas, quer com motivos geométricos, quer com representações figurativas), peças escultóricas para integração arquitetónica e estudos para painéis de azulejos.

Este extenso e diversificado imaginário, no qual o sagrado e o profano se cruzam, foi dado a conhecer através de um conjunto de peças, a maioria das quais pertencentes à coleção do artista, abrangendo quase três décadas de atividade.

Mariana Roquette Teixeira, 2018


Ficha Técnica


Artistas / Participantes


Publicações


Documentação


Fontes Arquivísticas

Arquivos Gulbenkian (Centro de Arte Moderna), Lisboa / CAM 00167

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência interna e externa. 1988 – 1991

Arquivos Gulbenkian (Serviço de Exposições e Museografia), Lisboa / SEM 00656

Pasta com documentação referente à produção da exposição. Contém correspondência interna. 1991 – 1991


Exposições Relacionadas

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.