Margarita Gritskova

Meio-Soprano

Margarita Gritskova nasceu em São Petersburgo, cidade onde estudou piano e canto no Conservatório com Irina Bogatscheva. Venceu o Concurso Luciano Pavarotti, em Modena (2008), e o Concurso Internacional de Canto Villa de Colmenar, em Espanha (2009). Depois de completar os seus estudos, ingressou no Teatro Nacional de Weimar, onde interpretou papéis como Ottone (L’incoronazione di Poppea), Bradamante (Alcina), Cherubino (As bodas de Figaro) e Carmen, começando então a construir o seu vasto repertório.

Desde 2012, Margarita Gritskova integra o elenco da Ópera Estatal de Viena, palco onde cantou papéis como Idamante (Idomeneo), Cherubino (As bodas de Figaro), Sesto (La clemenza di Tito), Dorabella (Così fan tutte), Rosina (O barbeiro de Sevilha), Angelina (La Cenerentola), Isabella (L’Italiana in Algeri), ou Olga (Evgeni Onegin), Um momento especial na sua carreira foi a estreia no papel de Mascha numa nova produção da ópera Tri sestri, de Peter Eötvös, encenada por Yuval Sharon. Depois desta atuação, Eötvös dedicou-lhe a canção Bitterkeit, a partir de um poema de Marina Tsvetaeva.

Em 2016, Margarita Gritskova interpretou Cherubino no Japão, sob a direção de Riccardo Muti, e em Aix-en-Provence, com o maestro Alain Altinoglu. Em 2017 apresentou-se em recitais com a pianista Maria Prinz, em Sófia (Bulgária) e no Centro Cultural Russo, em Viena. Baseado neste programa foi lançado o álbum “Russian Songs” (Naxos), com obras de Tchaikovsky, Rimsky-Korsakov e Rachmaninov.

Em 2018, Margarita Gritskova interpretou Carmen, em Viena, e foi distinguida como a melhor meio-soprano da temporada 2017/18 no Palau de les Arts Reína Sofía, em Valência. Em 2019/20 estreou-se no papel de Príncipe Orlofsky (O Morcego), em Viena, e apresentou-se como Isabella (L’Italiana in Algeri) no Théâtre des Champs-Élysées, em Paris. Seguiram-se representações de Johanna Seymour (Anna Bolena) no Staatstheater am Gärtnerplatz, em Munique, e de Angelina (La Cenerentola), na Ópera Nacional da Letónia, em Riga.