Leo Hussain © Marco Borggreve

Leo Hussain

Maestro

O maestro britânico Leo Hussain estudou na Universidade de Cambridge e na Royal Academy of Music, em Londres. Os sucessos do seu trabalho inicial no Festival de Salzburgo, como maestro assistente de Simon Rattle, bem como na Filarmónica de Berlim e na Filarmónica de Viena, conduziram a importantes estreias e colaborações com maestros como Valery Gergiev, Daniel Barenboim, ou Yannick Nézet-Séguin. Leo Hussain foi Diretor Musical da Ópera de Rouen e do Salzburg Landestheater e, ao longo da última década, afirmou-se como um exímio intérprete de Mozart, bem como das obras do século XX e do repertório contemporâneo. No entanto, o seu intelecto musical e a sua curiosidade são também despertados pelas grandes obras do repertório romântico. Definindo uma programação eclética e criativa, é um convidado regular de muitas das principais orquestras e teatros de ópera a nível mundial.

Em 2016/17 estreou-se, com assinalável sucesso, na Royal Opera House – Covent Garden, na direção de Oedipe, de G. Enescu. Outros sucessos no domínio da ópera incluem Capriccio, de R. Strauss, para a Ópera de Santa Fe, The Rape of Lucretia, de Britten, para o Festival de Ópera de Glyndebourne, bem como produções no Théâtre de La Monnaie, em Bruxelas, na English National Opera, em Londres, e nas Óperas Estaduais da Baviera (Munique) e de Berlim. Ao longo dos anos, estabeleceu uma forte relação com o Festival George Enescu, na Roménia, tendo dirigido recentemente Wozzeck de A. Berg e os Gurrelieder de Schönberg. Para além das orquestras europeias, dirigiu em Tóquio a Sinfónica NHK e a Sinfónica Metropolitana de Tóquio.

Para além da estreia de Leo Hussain à frente da Orquestra Gulbenkian, a presente temporada inclui também primeiras apresentações com a Filarmónica do Luxemburgo e na Ópera de São Francisco, o seu regresso à Ópera de Frankfurt e ao Theater an der Wien, bem como novas colaborações com a Sinfónica de Viena e com a Sinfónica da Rádio de Viena, entre outras orquestras.

 

Dezembro 2017

Atualização em 08 janeiro 2018

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.