Hugo Oliveira
Hugo Oliveira © DR

Hugo Oliveira

Barítono

Nascido em Lisboa, Hugo Oliveira foi membro do Estúdio de Ópera do Porto – Casa da Música, onde participou em produções como Joaz (Jojada) de Benedetto Marcello sob a direcção de Richard Gwilt, L’Ivrogne Corrige (Lucas) de Gluck com direcção musical de Jeff Cohen e Frankenstein! de Heinz-Karl Gruber dirigido por Pierre-Andre Valade e, mais tarde em 2006, com a Orquestra Sinfónica de Londres sob a direcção de  François-Xavier Roth, no Barbican Center em Londres.

Inserido na prestigiada série de ópera do Concertgebouw – Zaterdagmatinée NPS – interpretou La Wally de Catalani (Pedone) e Samson et Dalila de Saint-Saëns (2e. Philistin), ambas sob a direcção de Giuliano Carella e Lohengrin de R. Wagner (Dritte Edler), dirigido por Jaap van Zweden.

No Festival de Aix-en-Provence, Hugo Oliveira foi o protagonista da ópera Un Retour de Oscar Strasnoy.

Interpretou ainda As Bodas de Figaro (Figaro) no Coliseu do Porto, sob a direcção de Young-min Park, Les malheurs d’Orphée de D. Milhaud (Orphée) com Ebony Band em Paris (Cité de la Musique), Melodias Estranhas de António Chagas Rosa com Stefan Asbury, Paint me (Howard) de Luís Tinoco dirigido por Joana Carneiro, L’enfant et les Sortilèges (Fauteuil) sob a direcção de Wayne Marshall no Concertgebouw Amsterdam, Dido and Eneas de Purcell (Eneas), Venus and Adonis (Adonis) de John Blow, Le Carnaval et La Folie de Destouches (Momus) com Os Músicos do Tejo (Marcos Magalhães) e Rappresentatione di Anima et di Corpo de Cavalieri com AKAMUS (Rene Jacobs) na Staatsoper Berlin. Hugo Oliveira cantou também o Orfeo de Monteverdi (Plutone) com o Divino Sospiro (Enrico Onofri) e, como Caronte, com o ensemble francês Akadêmia (Françoise Lasserre) em Delhi e Paris.

O seu vasto reportório estende-se ainda à Oratória, salientando-se obras como o Requiem de Mozart com a Orquestra Gulbenkian (Michel Corboz), Missa em dó menor de Mozart em França com ONLP (Sascha Goetzel), Die Legende von der Heiligen Elisabeth de Liszt (Gennadi Rozhdestvensky), Requiem de Brahms (Marcus Creed), Solomon de Handel (Paul McCreesh), Pulcinella de Igor Stravinsky (Martin Andrè), Les Noces de Stravinsky (Rob Vermeulen) e Jetzt immer Schnee de Gubaidulina com o Asko Schönberg Ensemble (Reinbert de Leeuw).

Hugo Oliveira tem-se destacado internacionalmente pela interpretação do repertório Bachiano com maestros como Ton Koopman, Franz Bruggen, Peter Dijkstra, Klaas Stok , Paul Dombrecht, Peter van Heyghen e Vaclav Luks.

Hugo Oliveira trabalhou ainda com Jordi Saval (Les Concert des Nations), Bruno Weil (Wallfisch Band),  Gabriel Garrido (Ensemble Elyma), Andrzej Kosendiak (Wroclaw Baroque Orchestra), Keneth Weiss, Nigel North, Lawrence Cummings, Christophe Rousset.

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.