Elisabete Matos

Soprano

Natural de Caldas das Taipas, Elisabete Matos estudou canto e violino no Conservatório de Música de Braga e, como bolseira da Fundação Gulbenkian, completou a sua formação em Espanha com Ángeles Chamorro, Marimí del Pozo, Félix Lavilla e Miguel Zanetti. Estreou-se na Ópera de Hamburgo como Alice Ford (Falstaff) e Donna Elvira (Don Giovanni). Em 1997 participou na inauguração do Teatro Real de Madrid, tendo interpretado Marigaila na estreia mundial de Divinas Palabras, de A. García Abril, ao lado de Plácido Domingo. Foi de imediato convidada pelo célebre tenor para interpretar o papel de Dolly, na Washington Opera, numa nova produção de Sly, de Wolf-Ferrari, com José Carreras.

Ao longo de mais de 25 anos de carreira internacional, Elisabete Matos pisou muitos dos mais importantes palcos do mundo, tais como: Metropolitan Opera e Avery Fisher Hall de Nova Iorque, Scala de Milão, Staatsoper de Viena, Deutsche Oper Berlin, Teatro San Carlo (Nápoles), Teatro La Fenice (Veneza), Capitole de Toulouse, Teatro Real de Madrid, Gran Teatre del Liceu (Barcelona), Teatro Nacional do Japão, Ópera de Los Angeles, Ópera de Washington, Ópera do Reno, Teatro Regio (Turim), Ópera de Roma, ou Ópera de Telavive. O seu repertório de ópera é vasto e diversificado, incluindo: Elsa e Ortrud (Lohengrin); Irene (Rienzi); Sieglinde e Brünnhilde (A Valquíria); Senta (O navio fantasma); Elizabeth (Tannhäuser); Isolda (Tristão e Isolda); Iphigénie (Iphigénie en Tauride); Santuzza (Cavalleria Rusticana); os papéis principais de Tosca, Turandot, La Gioconda e Manon Lescaut; Chimène (Le Cid); Madame Lidoine (Dialogues des carmélites); Salud (La vida breve); Abigaille (Nabucco); Lady Macbeth (Macbeth de Verdi); Amelia (Simon Boccanegra); Alice Ford (Falstaff); ou Violetta (La traviata).

Para além dos teatros líricos, Elisabete Matos apresenta-se regularmente em concerto. Neste domínio, o seu repertório estende-se desde J. S. Bach até à música contemporânea. Em 2000, foi galardoada com um Grammy pela gravação do papel principal de La Dolores, de T. Bretón (Decca). Recebeu vários prémios em concursos nacionais e internacionais, incluindo o Concurso Luísa Todi e o Belvedere de Viena. Foi distinguida em Portugal com o grau de Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, a Medalha de Ouro de Mérito Artístico da Cidade de Guimarães e o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Recebeu também a Medalha de Mérito Artístico do Ministério da Cultura.

 

Outubro 2017

Atualização em 13 Outubro 2017