Coro Infanto Juvenil-da Universidade de Lisboa © DR

Coro Infanto-Juvenil da Universidade de Lisboa

O Coro Infanto-Juvenil da Universidade de Lisboa (CIUL) estreou-se em junho de 2005 na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa. Desde então, tem vindo a desenvolver uma nova linguagem, associando ao canto a expressão corporal e teatral, tendo-se apresentado em mais de cem espetáculos no país e no estrangeiro. Em 2009 participou na interpretação da Paixão segundo São Mateus, de J. S. Bach, no grande auditório do Centro Cultural de Belém (CCB), sob a direção de Enrico Onofri, e no Concerto de Encerramento do festival Música em São Roque.

Em 2010 realizou a primeira digressão internacional (Zurique, Estrasburgo e Basileia. Em 2011 deslocou-se a Bruxelas, a convite do Parlamento Europeu, para participar em dois concertos com o título “União Musical”. Ainda nesse ano, atuou na estreia da ópera A Menina Gotinha de Água, de Miguel Azguime. Em 2012 interpretou a cantata Jeanne d’Arc au bûcher, de A. Honegger, na Fundação Calouste Gulbenkian, sob a direção de Simone Young, deu três concertos nos Dias da Música (CCB) e participou num festival de coros juvenis em Basileia, para o qual foi selecionado por um júri internacional.

Em 2013 deu um concerto na Sé de Lisboa com o coro canadiano Shallaway e apresentou-se na Bélgica e em Amesterdão. Participou ainda no concurso internacional Summer Choral Fest, em Lisboa, tendo recebido uma Medalha de Ouro. Estreou obras de Eurico Carrapatoso e Daniel Schwetz, propositadamente escritas para o grupo, e interpretou ainda a obra vencedora do Concurso Internacional Lopes-Graça, da autoria de Alfredo Teixeira. Em 2014 interpretou de novo a Paixão segundo São Mateus, na Fundação Gulbenkian, sob a direção de Michel Corboz. Em julho, a convite do Palau de la Música Catalana, em Barcelona, colaborou em dois concertos com o Coro Juvenil do Palau. Em janeiro de 2016 regressou ao Grande Auditório Gulbenkian para participar na interpretação ao vivo da banda sonora do filme O Senhor dos Anéis: A Irmandade do Anel.

O repertório do CIUL é eclético, abrangendo compositores como Purcell, Bach, Haydn, Mozart, Cherubini, Rossini, Britten, ou Lopes-Graça, entre muitos outros. Dá também especial atenção à música étnica e à música contemporânea. De acordo com a evolução natural dos jovens coralistas, o coro é dividido ocasionalmente em dois agrupamentos distintos com potencialidades diversas, mas unidos pela mesma paixão e entusiasmo. Nasceu assim o Petit CIUL, com os coralistas mais novos, e o Grupo Juvenil, constituído pelos vinte coralistas mais experientes.

Atualização em 03 dezembro 2021

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.