Textos filosóficos

Marco Tútlio Cícero

De todas as grandes figuras da Antiguidade, Cícero é, sem dúvida, aquela cuja vida nos é conhecida mais em pormenor, dada a abundância da documentação existente: à variedade de géneros literários praticada, desde os escritos relacionados com a eloquência, até aos diálogos filosóficos, passando pelos discursos, políticos e forenses, sem esquecer as obras poéticas em que comentou a sua acção política, junta-se ainda um vasto conjunto de cartas particulares.

A «circunstância» de Cícero identifica-se com o século decisivo em que se desenrolou dramaticamente o fim da república romana. Terminado por volta de 146 a. C. o confronto com Cartago, Roma vive com intensidade o «século dos Cipiões», quando, no dizer de Horácio, «a Grécia vencida pelas armas venceu pela cultura a potência que a subjugara». O sucesso da aristocracia vai dar lugar a um infindável acûmulo de problemas sociais e de lutas civis que só terminará com a vitória de Octávio sobre Marco António e Cleópatra em 31 e a atribuição ao vencedor, em 27 a. C., do título de Augusto. É, pois, num contexto de duras lutas pelo poder que Cícero pensa a importância da cultura como fator de avanço para a humanidade.

Cícero vai abrir um caminho novo no mundo da política em Roma: a aliança da eloquentia com a sapientia. A história viria a mostrar que os tempos não eram propícios a uma tal aliança.

A produção escrita de Cícero no domínio da filosofia concentra-se no curto período de tempo subsequente à morte da filha Túlia, em 45 a. C., e ao regresso à política ativa para combater Marco António, o que conduziu à sua execução em dezembro de 43. Entre as obras filosóficas incluem-se os «Paradoxos dos Estóicos», anteriores a 45, as referências à «Consolação», perdida, que dirigiu a si mesmo pela perda da filha, os fragmentos do diálogo «Hortênsio», que inicia, como incitação à prática da filosofia, o conjunto das obras filosóficas propriamente ditas: os «Livros Académicos», os «Limites do bem e do mal», os «Diálogos em Túsculo», a trilogia de tratados metafísicos, «Da natureza dos deuses», «Da adivinhação», «Do destino», entre outros.

(Da introdução de J. A. Segurado e Campos)

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

Trad. do latim, introd. e notas de J. A. Segurado e Campos.

Edição:
2ª ed.
Coordenação editorial:
Fundação Calouste Gulbenkian
Editado:
Lisboa, 2018
Páginas:
638 p.
ISBN:
978-972-31-1465-2