Nathan o Sábio: um poema dramático em cinco actos

Gotthold Ephraim Lessing

Nathan o Sábio é, sem dúvida, uma das obras fulcrais do Iluminismo alemão. Resultado de uma polémica de carácter teológico, a sua recepção ulterior como texto fundamental de apologia da tolerância faz desta peça o «Sermão da Montanha do Iluminismo».

Em 1769, Lessing (1729-1781) aceita o posto de bibliotecário em Wolfenbüttel, ao serviço do duque de Braunschweig. Leibniz ocupara esse mesmo cargo. Lessing adquire assim alguma estabilidade económica, que lhe permitirá vir a contrair casamento com Eva König, em 1776.

Na corte de Braunschweig reinava um clima relativamente tolerante para a época, e, em 1780, foi mesmo autorizada a abertura de uma sinagoga. No âmbito da sua actividade como bibliotecário, Lessing deu a público e interpretou várias obras dos seus fundos, esquecidas ou até então desconhecidas, e fundou a primeira revista editada por uma biblioteca alemã. O que irá dar origem ao aceso debate teológico conhecido como Fragmentenstreit: a controvérsia dos fragmentos. O autor de vários dos manuscritos era o filólogo Reimarus, com quem Lessing travara amizade em Hamburgo. Luterano e, tal como Lessing, filho de um pastor, unia-os a curiosidade intelectual e o interesse por questões filosóficas e teológicas. 

Lessing publica diversos fragmentos, que levam ao auge a maior querela da teologia protestante no século XVIII. Ao todo, foram cerca de 50 escritos polémicos de 30 autores. O seu principal adversário entre os representantes da ortodoxia luterana é um pastor de Hamburgo, Goeze. Em 1778, o duque manda confiscar os fragmentos e emite uma ordem que impede o bibliotecário de responder. Mas Lessing não obedece. 

Lessing transfere a controvérsia para o teatro, a que chama «o seu velho púlpito». Nathan o Sábio é a última palavra de Lessing na controvérsia com Goeze, uma peça irónica, destinada a abandonar a liça entre risos de escárnio, e, simultaneamente, deverá ser o drama mais comovente jamais escrito pelo seu autor. Em sentido duplo: uma saída dramática de cena.

Destaca-se o carácter simultaneamente híbrido e inovador da peça, no contexto da poética dominante no século XVIII, em que a distinção aristotélica entre tragédia e comédia começava a ser posta em questão, com o advento da tragédia burguesa, bürgerliches Trauerspiel. 

(Do prefácio de Manuela Nunes)

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

Trad. de Yvette Centeno; pref. e rev. de Manuela Nunes

Edição:
1ª ed.
Coordenação editorial:
Fundação Calouste Gulbenkian
Editado:
Lisboa, 2016
Páginas:
249 p.
Título Original:
Nathan der Weise : Ein dramatisches Gedicht in fünf Auszügen
ISBN:
978-972-31-1582-6