Livro das Obras de Garcia de Resende

Garcia de Resende (ca. 1470-1536) foi moço da escrivaninha de D. João II, fidalgo da Casa d’el-rei (de D. Manuel I e D. João III), e escrivão da Fazenda. Servindo a Coroa ao longo da vida, na corte e fora do reino, revelou diversos talentos, conforme assinala Gil Vicente nas Cortes de Júpiter, ao apresentá-lo como alguém que «tudo entende».

O seu nome foi celebrizado sobretudo pela compilação do Cancioneiro Geral (1516), em que reuniu composições suas (entre elas as Trovas à morte de Dona Inês de Castro) e uma copiosa produção alheia.

Elaborou também vários textos em prosa, de temática profana e religiosa, e a Miscelânea, em verso, os quais, em conjunto, compõem o Livro das obras de Garcia de Resende. Esta coletânea, valorizada pela personalidade e pela visão do autor, constitui um testemunho do maior interesse.

Quis a Fortuna que Garcia de Resende assistisse, em lugar privilegiado, à atuação de quem decidia sobre a partilha de mares e terras e o destino dos homens, em tempos em que Portugal desempenhava papel de primeiro plano no teatro do mundo. […] Teve assim oportunidade de acompanhar de muito perto os monarcas a quem serviu, de presenciar, desde os bastidores do poder, momentos particularmente relevantes da história da gente lusa, e de ter acesso fácil a notícias de lugares e povos com quem os portugueses contactavam, sobretudo por obra dos Descobrimentos. Garcia de Resende não desaproveitou tal benesse. Do que ele próprio viu e do que soube por testemunho de terceiros, fez registo copioso e pormenorizado.

Saído dos prelos em 1545, nove anos depois do falecimento do Eborense, o Livro das obras de Garcia de Resende desde então até ao presente não deixou de suscitar grande interesse, em especial duas das suas composições: Vida e feitos de D. João II, por vezes intitulada, à revelia do autor, «Crónica de D. João II», e Miscelânea, a única em verso.

 

(Da nota preliminar de Evelina Verdelho)

 

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

Edição crítica, estudo textológico e linguístico por Evelina Verdelho

Idioma:
Português
Coordenação editorial:
Fundação Calouste Gulbenkian
Editado:
Lisboa, 1994
Páginas:
900
ISBN:
972-31-0622-1

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.