Colóquio/Letras 121/122

jul – dez 1991

Entre Machado e Eça, reflexões sobre o romance

De especial significado se reveste o dossiê dedicado a Machado de Assis, já porque o grande escritor brasileiro permanece ainda hoje quase desconhecido no nosso país, já porque, para além dos trabalhos de autores brasileiros (Paulo Pereira, Maria da Piedade Moreira de Sá, Edilberto Coutinho), nele se inserem valiosos artigos de ensaístas portugueses (Helder Macedo, Abel Barros Baptista, João Camilo dos Santos), e a Colóquio/Letras pretende-se uma ponte entre as literaturas de expressão portuguesa, com óbvio destaque para a brasileira.

A parte da revista dedicada a Eça de Queirós inclui leituras minuciosas de Ângela Varela (sobre Os Maias), Marie-Hélene Piwnik (A Cidade e as Serras), Beatriz Berrini (A Ilustre Casa de Ramires) e Eduardo Mayone Dias (sobre as traduções espanholas de livros de Eça). Esta parte prolonga-se ainda num artigo de Isabel Pires de Lima e Valdemar Cruz sobre a teorização do naturalismo em revistas literárias do Porto.

A ilustração deste número procura acompanhar a sua temática com fotografias «paralelas» da Lisboa e do Rio de Janeiro que os dois autores conheceram.

Nas «Reflexões sobre o Romance» insertas entre os dois dossiês, João Medina, Robert Bréchon e Maria Teresa Abelha A. Marques ocupam-se, respetivamente, das relações entre tal género literário e a história, a realidade e a arte.

Poetas brasileiros (Maria Helena Nery Garcez, Wilson Bueno, Vera Lúcia de Oliveira) e portugueses (Merícia de Lemos, Pedro da Silveira e Maria Alzira Seixo) apresentam alguma da sua produção mais recente; um jovem estreante, Patrick Fernandes, revela dois contos de sua autoria.

 

Sumário

Ficha técnica

Outras Responsabilidades:

David Mourão-Ferreira (dir.)

Idioma:
Português
Editado:
Lisboa, 1991
Entidade
Fundação Calouste Gulbenkian
Dimensões:
170 x 245 mm
Páginas:
300

Definição de Cookies

Definição de Cookies

A Fundação Calouste Gulbenkian usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação, a segurança e o desempenho do website. A Fundação pode também utilizar cookies para partilha de informação em redes sociais e para apresentar mensagens e anúncios publicitários, à medida dos seus interesses, tanto na nossa página como noutras.