Artistas portugueses em Paris : uma história oral

A cidade de Paris ocupa um lugar proeminente como destino para artistas, músicos e homens de letras portugueses ao longo dos tempos.

André de Gouveia no século XVI, Eça de Queiroz no séc. XIX e, desde então, figuras incontornáveis da cultura portuguesa passaram por Paris: Amadeo de Souza Cardoso, Almada Negreiros, Vieira da Silva, Lourdes de Castro, Manuel Cargaleiro, Sérgio Godinho e tantos outros. Esta lista poderia continuar indefinidamente, tal é o número de personalidades da cultura portuguesa que viveram e trabalharam por esta cidade ao longo de décadas. Paris foi porto de abrigo, cidade de exílio, mas também de aprendizagem e de liberdade – política, de pensamento, liberdade criativa – para gerações sucessivas de jovens portugueses.

Esta memória merece, por isso, ser protegida e salvaguardada para futuras gerações. É por esta razão que a Delegação em França da Fundação Gulbenkian inicia agora um projecto intitulado “Artistas portugueses em Paris – uma história oral”. Muito simplesmente, a ideia consiste em registar a memória e as experiências em Paris de algumas figuras tutelares da nossa cultura, já que cada percurso pessoal constitui um património extremamente valioso para a história das artes e das letras portuguesas.